Uma das imagens mais clássicas de uma tragédia anunciada é a dos músicos do Titanic tocando enquanto o navio afunda. Foi a imagem usada por Damiano Tommasi, presidente da Associação dos Jogadores Italianos (Associazione Italiana Calciatori, AIC), para descrever os dirigentes dos clubes da Serie A. O ex-jogador fez críticas aos dirigentes e falou sobre a possibilidade da temporada sequer terminar.

“Há um infinito número de jogadores que, respeitando as regras, assinaram com outros clubes, com o contrato começando no dia 1º de julho. Há empréstimos, jogadores que ficam sem contrato”, declarou o ex-jogador, em entrevista ao Il Messaggero. “Nos dia 30 de junho, os clubes tem que apresentar os seus orçamentos e isso é um problema para eles. Um atraso precisaria ser estuda, uma moratória será feita, estendendo os contratos”.

“Não podemos exagerar nesse atraso. O começo da próxima temporada não pode ser muito adiado já que, ao menos esperamos, haverá a Eurocopa”, afirmou Tommasi. E o antigo jogador da Roma acredita que é possível até mesmo vermos a temporada não ser mais disputada.

“É claro [que é possível a temporada não terminar]. Eu repito: as escolas estão fechadas, um campeonato, ou mais de um, pode ser fechado. Seria um grande problema, mas infelizmente, não escolhemos essas coisas, é o Coronavírus que escolhe”, disse o presidente do sindicato dos jogadores. “Nós estamos todos no mesmo barco, na mesma incerteza e com a mesma fragilidade”.

Tommasi foi duro com os dirigentes dos clubes italianos, temendo que eles não entendam a gravidade da situação, que é uma emergência sanitária e qualquer contato físico entre as pessoas pode ser um problema. “Eles são como músicos do Titanic, que continuam tocando enquanto o navio afunda. Se você não entende que a situação é séria, eu tenho medo que as datas sejam desconsideradas”, afirmou o representante dos jogadores.

“No norte, o fenômeno [do coronavírus] está constantemente crescendo, assim como no resto da Europa. Foi correto colocar um horizonte temporário [previsão para voltar a jogar], quase como uma forma de otimismo. Isso é OK. Mas ainda há muito a fazer”, afirmou Tommasi.

“No começo, pareceu que o fenômeno se concentraria na área sul da Lombardia, então passou para Brescia e Bérgamo. É imprevisível, nós não sabemos o que irá acontecer no sul. A lógica nos diz que temos que nos comportar bem, rigorosamente. Não se trata de ser catastrofista ou otimista, eu apenas tento ser realista. Nós iremos começar de novo, mas em segurança. E onde é preciso, nós iremos respeitar as medidas restritivas”, declarou Tommasi.

A Itália suspendeu a Serie A e todo o futebol profissional, ainda sem data para voltar. Há a expectativa do futebol poder ser retomado no início de maio, mas esta possibilidade ainda é bastante incerta.