A Libertadores nem bem acabou e a Copa Sul-Americana já tem os 30 times que participam da segunda fase da competição. Oito brasileiros e seis argentinos já entraram direto nesta etapa, enquanto quatro colombianos,  quatro chilenos, três equatorianos, três paraguaios, um venezuelano e um uruguaio obtiveram o direito de chegar nos 32 avos de final por meio de confrontos na primeira fase. Peruanos e bolivianos já estão fora da competição.

Vale dizer que este 1/32 de final é entre aspas, uma vez que temos 30 times graças à classificação automática do São Paulo às oitavas por ser o atual campeão. Ao mesmo tempo, brasileiros e argentinos têm confrontos direcionados dentro de seus países.

Assim o desenho desta fase da Copa Sul-Americana é o seguinte:

SEGMENTO BRASIL

Sport x Náutico
Vitória x Coritiba
Criciúma x Ponte Preta
Portuguesa x Bahia

SEGMENTO ARGENTINA

Belgrano x Vélez Sársfield
Racing x Lanús
San Lorenzo x River Plate

SEGMENTO CONTINENTAL

Aqui estão os times do “resto” da América do Sul, alvo da nossa coluna, e que por isso receberão análises privilegiadas aqui:

Universidad Católica x Emelec

O sorteio direcionado da Copa Sul-Americana – com confrontos de times do Norte do continente contra os do Sul – colocou dois dos melhores times da competição para um duelo já nesta fase. A Universidad Católica tem a mesma base do ano passado, que conseguiu o vice-campeonato chileno e que deu muito trabalho para o São Paulo nas semifinais. Para chegar aqui a equipe venceu o já complicado Cerro Porteño. Destaque para a boa defesa, capitaneada pelo goleiro Toselli, e para o bom meio de campo Fernando Meneses.

O Emelec também segue com o time que dominou o Equador no primeiro semestre e que teve uma eliminação honrosa contra o Fluminense na Libertadores. A equipe do treinador Gustavo Quinteros tem no setor ofensivo a sua principal força. Não à toa os Eléctricos chegaram a esta etapa depois de vitória no placar agregado por 7 a 1 contra o peruano Sport Huancayo. Olho nos meias abertos Gimenez e Valencia e no sempre perigoso atacante Mondaini. Vale dizer: quem passar enfrenta o São Paulo nas oitavas.

Colo Colo x Deportivo Pasto- COL

O único time chileno dono de um título da Libertadores definitivamente não consegue se reerguer. Desde 2010 a equipe não engata uma boa sequência de resultados e segue em crise eterna. A Sul-Americana é a chance para reverter esta tendência. O Cacique, que bateu o El Tanque Sisley do Uruguai por 3 a 0 no agregado espera que o experiente goleiro Justo Villar garanta as coisas lá atrás para que nomes como Fierro e Javier Toledo façam os gols. O confronto é com o Deportivo Pasto, sétimo colocado no último campeonato colombiano, e que bateu o Melgar por 3 a 2 na soma dos dois resultados. A equipe aposta no conjunto e organização do meio pra trás e no atacante Lalinde, do meio pra frente. O vencedor desta chave enfrentará o ganhador de Criciúma e Ponte Preta.

Itagüí-COL x River Plate-URU

Virtual terceiro colocado do último campeonato colombiano – já que o formato da decisão é em mata-mata – o Itagüí chega referendado pelas boas campanhas em solo nacional. A equipe aposta no toque de bola do experiente meiocampista John Restrepo e no faro de gol do boliviano Diego Cabrera, que disputou a Libertadores pelo San José. O River Plate é o único uruguaio que segue na Sul-Americana e dificilmente terá uma sequência. O time é limitado, mas foi o quarto colocado na tabela anual uruguaia. Assim, a aposta será na entrega dos jogadores e no talento do atacante Sebastián Taborda. O vencedor enfrenta Vitória ou Coritiba.

Universidad de Chile x Independiente José Terán-EQU

Desde a eliminação na Copa Libertadores 2012, a Universidad de Chile ainda não reencontrou seu caminho. A saída de Jorge Sampaolli escancarou as limitações do elenco, que não rendeu nas mãos do inexperiente Darío Franco e que tenta se recuperar agora sob o comando de de “El Fantasma” Marco Antonio Figueroa. A equipe perdeu do Potosí por 3 a 1 na ida, mas superou os bolivianos por 5 a 0 em casa. Johnny Herrera e Charles Aránguiz são as referências desta equipe, que tenta acertar o setor defensivo e ofensivo, ainda. Na frente, Isaac Díaz e Bryan Cortéz são as apostas. Já o Independiente José Terán, também conhecido como Independiente del Valle, superou o bom Deportivo Anzoátegui para chegar a esta fase. A equipe equatoriana foi a terceira colocada no Primera Etapa deste ano e espera que o entrosamento do time e a qualidade do jovem e rápido atacante Junior Sornoza. Quem passar enfrenta Racing ou Lanús.

Guaraní-PAR x Atlético Nacional

Atualmente um dos melhores times da América do Sul, o Atlético Nacional é o atual campeão colombiano – venceu o Apertura 2013 – e também favorito no confronto. A equipe colombiana abandonou de vez o futebol atrativo e fluido do início de 2012 para ser pragmática e efetiva. Macnelly Torres deixou o clube, mas o experiente atacante Juan Pablo Ángel, e seu companheiro Valoy dão a qualidade que o time de Juan Osorio necessita. O Guaraní também tem uma ótima equipe para os padrões continentais. Vice campeão paraguaio, o time tem uma defesa consistente e um ataque de volúpia com o brasileiro Rodrigo Teixeira e os paraguaios Derlis González, ex-Benfica, e Federico Santander. O vencedor pega Portuguesa ou Bahia.

La Equidad-COL x Cobreloa

Para chegar aos 32 avos da Sul-Americana o Cobreloa derrubou o grande Peñarol, com um futebol de efetividade. Terceiro colocado no torneio Transición do chile, o time aposta principalmente em seu trabalho conjunto para tentar feitos ainda maiores. O clube, no entanto, está alijado de uma de suas principais armas: o fator casa. O estádio em Calama, zona de deserto no Chile, não recebe jogos, de forma que a equipe tem mandado suas partidas em Antofagasta, zona portuária do país. La Equidad teve a segunda melhor campanha acumulada no Colombianão 2012/13, mas foi apenas a décima no campeonato Apertura de 2013. Não deve ter vida longa no torneio. Quem vencer enfrenta o ganhador de Belgrano e Vélez.

Libertad x Mineros de Guayana-VEN

A eliminação precoce em 2013 do quadrifinalista das Libertadores 2011 e 2012 e a eleição do presidente do clube para a presidência do Paraguai geraram mudanças na forma de o Libertad administrar seu futebol. De uma só vez os experientes Mendieta, Eguren, Benegas, Velázquez e Guiñazu saíram. Para o lugar deles, a aposta é no trabalho de base, comprovadamente o melhor do Paraguai. Mesmo assim, chegaram ao clube Freddy Bareiro, ex-Olimpia, e Adalberto Román, que passou pelo Palmeiras. É neste contexto que o Libertad chega para o duelo com o surpreendente Mineros de Guayana. Os paraguaios seguem com suas imutáveis duas linhas de quatro, apostando agora nos meninos Montenegro e Recalde e nos experientes Samudio e Aquino. O Mineros eliminou o Barcelona do Equador com um trabalho calcado muito mais no coletivo. A equipe foi a sexta na temporada venezuelana e não tem grandes destaques. O vencedor enfrenta Sport ou Náutico.