Mesmo com uma solitária participação na J-League em 2007, o Yokohama FC se firmou como um dos clubes mais carismáticos do futebol japonês. Os celestes chamavam atenção na segunda divisão, apesar das campanhas medianas, graças aos seus craques. Kazu Miura veste a camisa do Yokohama desde 2005 e permanece na ativa aos 52 anos. Já nesta temporada, outra lenda nipônica se juntou ao elenco: Shunsuke Nakamura, contabilizando 41 anos. E foi com um time recheado de veteranos que o Yokohama FC viveu sua glória neste domingo. A equipe conquistou o acesso e retornará à primeira divisão do Campeonato Japonês após 12 anos.

Kazu e Nakamura são os dois nomes míticos no elenco treinado por Takahiro Shimotaira, mas há outros tantos medalhões. Goleiro titular, Yuta Minami tem 40 anos. Na defesa, três titulares frequentes passaram dos 31, com destaque a Masahiko Inoha, presente na Copa de 2014. Ídolo especialmente por sua passagem pelo Kashiwa Reysol, o rodado Leandro Domingues é uma das referências no meio-campo, que ainda possui Daisuke Matsui, outro a disputar Mundial com o Japão em 2010. Já na frente, o destaque fica ao norueguês Ibba Laajab, de 34 anos, artilheiro da equipe com 18 gols.

Os dois principais astros são peças complementares dentro do Yokohama FC. Kazu disputou apenas três partidas ao longo da campanha na segundona. Já Nakamura chegou após deixar o Jubilo Iwata e participou de dez jogos, sete deles como titular. O meia ganhou a posição justamente na reta final da competição e contribuiu ao sucesso do Yokohama FC, anotando um belíssimo gol na importante vitória sobre o Tokyo Verdy, no final de outubro. Ambos compartilhariam a alegria pela ascensão.

O Yokohama FC, aliás, nem parecia candidato ao acesso nesta temporada. Pelo contrário, o time rondou a zona de rebaixamento durante as primeiras rodadas e terminou o primeiro turno ocupando o modesto 12° lugar. A arrancada se deu a partir de julho, na virada dos turnos. Os celestes chegaram a emendar sete vitórias consecutivas, que alavancaram seu desempenho. Foram 18 rodadas de invencibilidade até outubro, com 12 vitórias no período, em sequência interrompida por uma derrota diante do Kyoto Purple Sanga. Apesar do revés, os celestes já tinham se colocado entre os postulantes pelas duas vagas no acesso direto.

Já a festa pela promoção dependeu do gás que o Yokohama FC deu nesta reta final. Os celestes conquistaram cinco vitórias nos últimos cinco jogos. Tomaram a segunda colocação quando restavam mais duas partidas e, neste domingo, confirmaram a vantagem sobre o Omiya Ardija, seu principal perseguidor, para carimbar o acesso. Enquanto os concorrentes apenas empataram na rodada, o Yokohama FC cumpriu sua parte com o triunfo por 2 a 0 sobre o Ehime FC. Yusuke Minagawa e Kosuke Saito anotaram os gols decisivos. Por sua vez, Nakamura foi titular, enquanto Kazu entrou para os minutos finais.

Com 79 pontos, o Yokohama FC encerrou a campanha na segunda colocação. O título foi conquistado pelo Kashiwa Reysol, campeão com 84 pontos. Os aurinegros, aliás, fecharam a temporada de maneira suprema: golearam o Kyoto Purple Sanga por 13 a 1, com direito a oito gols do queniano Michael Olunga. Cria do Coritiba, o atacante Cristiano também fez três e o jovem Matheus Sávio, emprestado pelo Flamengo, guardou o seu. Além de Kashiwa e Yokohama, a J-League 2 oferece ainda mais um acesso através dos playoffs. Omiya Ardija, Tokushima Vortis, Ventforet Kofu e Montedio Yamagata são os candidatos.

A cidade de Yokohama, enquanto isso, pode desfrutar um momento histórico no futebol. Principal clube da metrópole vizinha a Tokyo, o Yokohama F. Marinos assumiu a liderança da J-League nesta reta final. Restando apenas duas rodadas ao fim da campanha, o time possui um ponto de vantagem sobre o Tokyo FC. Além do mais, o confronto direto na última rodada acontecerá exatamente no Estádio Internacional de Yokohama. Caso o feito realmente aconteça, seria o quarto título nacional do Marinos, o primeiro desde 2004.

O acesso do Yokohama FC jogará um pouco de pimenta na rivalidade local. Por mais que as duas equipes só tenham se cruzado duas vezes pela J-League, o Yokohama FC surgiu exatamente como uma dissidência do F. Marinos. Os torcedores do antigo Yokohama Flügels se sentiram depreciados durante a fusão com o Yokohama Marinos em 1999 e preferiram criar uma nova agremiação, que carregasse as mesmas cores e símbolos do time “extinto”. Foi o primeiro clube da história do futebol japonês a ser administrado por torcedores.

O Yokohama FC alcançou a segundona pela primeira vez em 2001. Desde então, os celestes acumulam campanhas medianas, limitados à promoção anterior em 2006. Durante sua rápida estadia na elite, o grande momento do Yokohama aconteceu na última rodada. Já rebaixados, os novatos impediram o título do Urawa Red Diamonds e entregaram a taça de bandeja ao Kashima Antlers, então dirigido por Oswaldo de Oliveira.

O clássico de Yokohama em 2020 valorizará o futebol em uma das maiores cidades do Japão, notável por abrigar o principal estádio do país. E poderá ser disputado em grande estilo, inclusive pelas lendas. Apesar dos poucos minutos em campo, renovar o contrato de Kazu Miura mais uma vez não deve ser problema. Enquanto isso, Nakamura ganha uma motivação extra para encarar o Yokohama F. Marinos, clube onde é ídolo histórico, mas saiu por discordâncias com a diretoria em 2017. Os astros terão seu momento de brilho, num acesso que ganha projeção muito por conta deles.