O Campeonato Brasileiro chega à última rodada e a briga na rabeira da tabela continua forte. Apenas um entre Palmeiras, Vitória e Bahia escaparão do rebaixamento, e suas torcidas não têm dúvida que as três equipes mostraram futebol fraco o suficiente para estarem nessa situação de perigo. No entanto, nem sempre a fragilidade técnica é o único requisito para um time cair para a segunda divisão.

LEIA TAMBÉM: Dinheiro, dispensa, e confusões: os cinco erros que rebaixaram o Botafogo

Há casos de times razoavelmente decentes (pelo menos para ficar no meio da tabela) que acabaram descendo. São equipes com elencos decentes, ou que mostraram futebol convincente em algum momento do campeonato, mas que se perderam em algum momento do campeonato e acabaram nas últimas posições.

Nessa semana em que três clubes tradicionais estarão ansiosos pela possibilidade de uma nova visita à Segundona, vamos relembrar algumas das equipes que eram boas (ou, para ser mais justo, “não tão ruins assim”) e acabaram rebaixadas em campo. Afinal, pouco adianta ser uma equipe decente se ela não faz os pontos de que precisa.

Segunda: Palmeiras de 2002

A equipe de Zinho, Arce, Marcos, Pedrinho, Dodô, Nenê, Fabiano Eller e Leonardo Moura ficou sempre passando a impressão de que embalaria em algum momento e sairia da rabeira, mas isso simplesmente não aconteceu.

Terça: Goiás de 1998

O time tinha Fernandão, Alex Dias, Aloísio Chulapa, Josué e Araújo, mas não passou da 22ª posição em 1998.

Quarta: América-MG de 1993

Um regulamento estranho acabou rebaixando o time que, meses antes, havia tirado o América de uma fila de 22 anos e revelado Euller.

Quinta: Portuguesa de 2008

Nâo era um esquadrão no papel, mas a Lusa ficou marcada por ter ótimas atuações e deixar a vitória escapar no final. Acabou caindo.

Sexta: Grêmio de 1991

O Tricolor teve a melhor campanha da fase de classificação do Brasileiro de 1990. Seis meses depois, com a mesma base, tudo deu errado e acabou se tornando o primeiro dos 12 grandes a cair desde a adoção de um sistema de promoção e rebaixamento minimamente estável.