Um time jovem como o Monaco precisa de jogadores experientes para se apoiar quando as coisas ficam difíceis. Neste caso, a responsabilidade é de Subasic, João Moutinho, Glik e, principalmente, de Radamael Falcao, 31 anos. E o colombiano correspondeu, neste sábado, ao sair do banco de reservas para virar o jogo diante do Dijon, com duas cobranças de falta quase perfeitas: uma no travessão e outra direto no ângulo de Baptiste Reynet, na vitória do líder da Ligue 1 por 2 a 1.

LEIA MAIS: Capitão e artilheiro, Falcao mantém o Monaco no caminho do título francês

Às vésperas do jogo de volta contra o Borussia Dortmund, pelas quartas de final da Champions League, Leonardo Jardim decidiu poupar alguns jogadores para o duelo, em casa, contra o vice-lanterna. Lemar, Moutinho e Falcao começaram no banco de reservas, e os visitantes abriram o placar com Cedric Varrault, no fim do primeiro tempo.

O PSG havia derrotado o Angers, na sexta-feira, e empatado em pontos com o Monaco, que precisava da vitória para se manter isolado na liderança do Campeonato Francês. Lemar já havia entrado em campo quando Jardim tirou Bakayoko e colocou Falcao. Nove minutos depois, o colombiano cobrou uma falta no travessão, a bola bateu em Reynet e parou em cima da linha. Nabil Dirar conferiu e empatou.

Logo em seguida, Glik teve um gol anulado e o cheiro do tropeço tomou conta do Louis II. Mas o Tigre veio ao resgate: praticamente do mesmo lugar da falta anterior, Falcao enviou a bola ao ângulo do goleiro e marcou 2 a 1. Foi o 18º gol do artilheiro em 24 jogos nesta Ligue 1. Três pontos e muita moral para receber o Borussia Dortmund, na próxima quarta-feira.

.