Thuram atormentava o Real Madrid, até que Casemiro ajudasse a salvar um sofrido empate no fim

Marcus Thuram representava um pesadelo ao Real Madrid nesta terça-feira. O atacante precisou de duas partidas para dobrar o número de gols de seu pai, Lilian, na Champions League e comandava uma atuação letal do Borussia Mönchengladbach na Alemanha. Os Potros mantinham a segurança na defesa e, muito eficientes na frente, abriram dois gols de vantagem com o jovem francês. O triunfo recente no clássico parecia não adiantar de nada aos merengues, numa exibição morna, que levava o clube à segunda derrota consecutiva no torneio continental. O mérito do Madrid foi não desistir jamais. Faltou qualidade na criação, limitada a uma sequência de cruzamentos. A estratégia, de qualquer forma, bastou a um suado empate por 2 a 2 nos acréscimos. Casemiro foi o símbolo desse espírito de luta, com gol e assistência.

O Real Madrid praticamente repetiu a escalação que derrotou o Barcelona no final de semana, apenas precisando manter Lucas Vázquez na lateral direita. E a primeira meia hora de jogo seria controlada pelos merengues. O Gladbach tentava adiantar a marcação, mas a equipe de Zinedine Zidane evitava bem os riscos e escapava da pressão. Faltava mais acerto na conclusão das jogadas. Apesar da ótima mobilidade com o trio de frente, o Real não levava tanto perigo.

Um bom escape ao Real Madrid vinha pelo lado direito, onde Federico Valverde participava bastante e Marco Asensio proporcionava boas jogadas. A partir dos 20 minutos, os merengues passaram a forçar um pouco mais na frente. Karim Benzema chegou a finalizar com perigo numa bomba cruzada e Vinícius Júnior seria travado dentro da área. De qualquer maneira, só aos 28 é que o goleiro Yann Sommer seria testado, espalmando uma pancada de Toni Kroos na entrada da área. E mesmo sem ter finalizado ainda, o Gladbach saiu em vantagem logo em sua primeira tentativa.

O primeiro gol do Borussia Mönchengladbach veio aos 33 minutos. Foi um contra-ataque perfeitamente construído pelos Potros, ganhando uma sobra na intermediária. Alassane Pléa avançou pelo lado direito e tabelou com Jonas Hofmann. Então, veio o toque de genialidade: um cruzamento rasteiro milimétrico do francês, passando por entre as pernas de Raphaël Varane e também às costas de Lucas Vázquez. Na velocidade, Marcus Thuram chegou no momento exato e bateu firme para superar Thibaut Courtois. O Real Madrid sentiu o golpe e perdeu ímpeto na reta final do primeiro tempo. Asensio era quem conseguia algo diferente, mas esbarrou em Sommer, espalmando o arremate do ponta espanhol.

O Real Madrid não mudou sua formação no início do segundo tempo, mas parecia transformar sua atitude. Mais agressivo, carimbaria o travessão logo no primeiro minuto. Depois de uma cobrança de escanteio, a sobra ficou com Asensio e o chute desviado acertou o metal. O volume de jogo dos merengues agora se convertia em uma blitz, faltando um pouco mais de capricho na definição. Asensio e Vinícius Júnior assustariam na sequência, com o brasileiro finalizando muito mal após ótima jogada de Valverde. A intensidade, contudo, não duraria tanto assim. E o triunfo do Gladbach logo se ampliaria.

Sobrava espaço para o Borussia Mönchengladbach contragolpear. Christoph Kramer já daria trabalho num bom lance individual, pouco antes que um tento de Hofmann fosse anulado por falta na área. Mas não demoraria para que Thuram anotasse o segundo, aos 13. O ponta puxou o ataque e abriu o caminho para Stefan Lainer na direita. O lateral cruzou e Pléa finalizou sozinho. Courtois rebateu e, livre na sobra, Thuram só cutucou para dentro. Os merengues ainda pediram impedimento, mas Ferland Mendy deu condições de forma infantil.

Grogue com o segundo gol, o Real Madrid poderia ter visto a situação se complicar ainda mais. O Gladbach mostrou que o tento não era acaso e seguiu pronto para ampliar o resultado. Courtois fez uma defesa milagrosa na sequência, ao fechar o ângulo de Pléa no mano a mano. O goleiro ainda precisou sair de maneira providencial para neutralizar alguns passes dos Potros, enquanto Lars Stindl ficou a ponto de assinalar o terceiro aos 21. Depois de receber de Pléa, o armador bateu tirando tinta da trave.

Só então o Real Madrid acordaria. As primeiras mudanças de Zidane vieram apenas aos 25. Muito mal na noite, Vinícius Júnior deu lugar a Eden Hazard, enquanto Luka Modric entrou na posição de Toni Kroos. Marcus Thuram também deixou o campo, para que Patrick Herrmann renovasse as energias aos contragolpes. Os merengues reiniciariam o abafa, com pouco sucesso diante da sólida marcação dos Potros. Quando Benzema achou Hazard em ótimo passe, o chute pegou na parte externa da rede.

A pressão do Real Madrid se manteria, com uma sequência incessante de cruzamentos. Até que, aos 42, finalmente os madridistas descontassem. Reforçando sua ótima partida, Valverde cruzou da direita e Casemiro salvou na linha de fundo a bola, cabeceando ao meio. Na pequena área, Benzema escorou à meta aberta. O Gladbach deu calor em alguns contra-ataques na sequência. Ainda assim, os merengues arrancaram um inesperado empate aos 48. Modric cruzou no capricho, Sergio Ramos ajeitou de cabeça e desta vez foi Casemiro quem emendou às redes, solitário na linha da pequena área. Os alemães tentaram responder nos dois minutos restantes, mas nada suficiente para evitar a frustração.

O Borussia Mönchengladbach começa bem na Champions, com empates diante de Internazionale e Real Madrid. Ainda assim, parece pouco, pensando na dificuldade do grupo e na maneira como o resultado esteve nas mãos nesta terça. Já o Real Madrid se alivia, mas segue em situação delicada na competição continental. Os merengues somam apenas um ponto e não apresentam grande futebol para garantir a reviravolta, especialmente considerando o equilíbrio na chave. A equipe foi mais coração que bola para evitar o pior no Borussia Park.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore