Thomas Partey ganha a grande chance da carreira no Arsenal, que deve alçá-lo como esteio do time

O Arsenal atravessou a janela de transferências comedido. O zagueiro Gabriel Magalhães tinha sido o negócio mais caro até então, além das adições sem custos de Willian e Cédric Soares. A grande notícia se concentrava na renovação de Pierre-Emerick Aubameyang, embora se esperasse um reforço de peso. E, nas últimas horas da janela, os Gunners confirmam uma necessária adição ao meio-campo. O clube pagou €50 milhões de multa rescisória ao Atlético de Madrid, garantindo a compra de Thomas Partey. No caminho contrário, Lucas Torreira ainda sai ao Metropolitano por empréstimo, com opção de compra por €20 milhões.

Thomas foi um jogador que cresceu em importância no Atlético de Madrid durante os últimos anos. O meio-campista virou alternativa ao Atleti em 2015/16, após períodos emprestado a Mallorca e Almería. Levou um tempo para se firmar, mas virou titular nas três últimas temporadas. Com muita presença para preencher a intermediária e poder de marcação, além de bom nível técnico, o volante virou um dos jogadores mais regulares dos colchoneros. Superou as oscilações recentes do clube para ser uma certeza com Simeone.

Apesar do peso no Atlético, Thomas não é dos jogadores mais midiáticos. Até marca seus gols, sobretudo em pancadas de longe, mas acaba lembrado mais por seu trabalho dentro de um time com ideal defensivo. No Arsenal, o ganês encontrará outra filosofia. E até por isso vira uma aposta de Mikel Arteta. O treinador acredita que, por sua intensidade e por seus predicados, o volante poderá contribuir à ascensão dos Gunners na Premier League. O valor da transferência é alto, mas parece bem estudado pelos londrinos.

Thomas, além do mais, se insere em um setor carente do time. O espaço que ainda é dado a Granit Xhaka, bem como a utilização frequente de Mohamed Elneny em sua volta de empréstimo, demonstram como faltam alternativas mais confiáveis ao meio-campo. O ganês tem características importantes para se tornar intocável entre os titulares e se complementar ao lado de outras opções mais técnicas, como Dani Ceballos e Bukayo Saka. O Arsenal parece ganhar escopo para competir em nível mais alto na Premier League e comprovar como o trabalho de Arteta pode se desenvolver.

O Arsenal parece se tornar a grande oportunidade da carreira de Thomas Partey, aos 27 anos. Até pelas cifras envolvidas, haverá uma atenção maior sobre o futebol do meio-campista. Sua missão será dinamitar a faixa central da equipe, atingindo seu máximo potencial também pelo trabalho com a bola que será necessário. Por fim, poderá se encaixar na intensidade de um campeonato como a Premier League, que ainda evidenciará seus atributos físicos. Diante da oportunidade oferecia pelos Gunners, caberá ao novato agradecer com regularidade e bom futebol.

Do outro lado, o Arsenal se despede temporariamente de Lucas Torreira. O uruguaio viveu bons momentos no Emirates, especialmente em seu início sob as ordens de Unai Emery. Todavia, a queda de nível do meio-campista foi abrupta e ele mesmo indicava desejo de sair da Inglaterra, por não se adaptar ao país. No Atlético de Madrid, terá uma excelente oportunidade de redescobrir esse prazer, ainda mais por se encontrar com companheiros de seleção e por possuir virtudes valorizadas por Diego Simeone. O empréstimo de um ano vira uma solução aos colchoneros justamente após a venda de Thomas, mas pode valer muito mais ao jovem.

Diante do cenário, todos os lados parecem sair ganhando. O Atlético de Madrid embolsa um bom dinheiro e ganha uma reposição interessante, mesmo que a princípio temporária. Já o Arsenal vê seu meio-campo se renovar com um atleta que pode mesmo se encaixar de imediato ao time. Thomas terá boas condições para provar sua qualidade.