O exílio de Thiago Silva na seleção brasileira durou um longo tempo. Mais exatamente, 15 meses, desde a eliminação para o Paraguai na Copa América de 2015. O zagueiro, que já sofria críticas desde o Mundial de 2014, pagou pelo erro decisivo e nunca mais voltou às convocações de Dunga. Agora, ganha uma oportunidade de recomeçar com Tite. Ausente da primeira lista, quando se recuperava de lesão, o defensor retorna ao time para os jogos contra Bolívia e Venezuela. A novidade de maior peso da nova convocação.

VEJA TAMBÉM: Estes são os convocados da Seleção para as duas próximas rodadas das Eliminatórias

Thiago Silva recebeu questionamentos nos últimos dois anos compreensivelmente. O zagueiro demonstrou certa fragilidade emocional para exercer o papel de capitão e cometeu uma falha infantil diante dos paraguaios. Além disso, também deu declarações enciumadas na época em que perdeu a braçadeira e isso não pegou bem. Não é isso, porém, que diminui a qualidade do carioca em sua posição. Que ele já tenha vivido momentos melhores, a sua capacidade técnica é inquestionável. Poucos zagueiros combinam tão bem sua força física e a sua inteligência. Além disso, conta com um senso de posicionamento apuradíssimo e exerce uma liderança tática. É só ver como o sistema defensivo sucumbiu em sua ausência na Copa de 2014.

O miolo de zaga funcionou bem com Miranda e Marquinhos. Mesmo assim, talvez não neste primeiro momento, Thiago Silva chega para brigar por uma posição entre os titulares, especialmente com seu parceiro no Paris Saint-Germain. Ganhou a confiança de Tite, que ligou pessoalmente ao defensor para saber sobre sua disponibilidade à Seleção, depois dos imbróglios anteriores. E isso porque disputou apenas um jogo oficial na temporada até aqui (o empate com o Arsenal pela Champions), o que indica o nível de respaldo junto ao treinador. O zagueiro retoma um espaço que quase sempre mereceu ser seu, apesar das decisões de Dunga.

As outras cinco novidades

Fernandinho e Roberto Firmino chegam pelas ótimas fases na Premier League. O volante e o atacante começaram a temporada europeia voando, justificando os seus chamados. Oscar, mesmo sem aparecer tanto, recebe a chance pela função que desempenha no Chelsea. Não é um jogador com grandes feitos pela Seleção, mas vem para concorrer com Paulinho e Renato Augusto, em uma posição que dependerá também das virtudes defensivas do meio-campista. Tite contou que conversou com Antonio Conte para obter mais detalhes. Douglas Costa só não esteve na primeira lista por causa de sua lesão e, neste momento, tem lugar cativo no elenco. Por fim, a grande surpresa foi Alex Muralha. O treinador explicou apontando para o acompanhamento feito por Taffarel, desde a temporada passada. De fato, se o Flamengo vai tão bem no Brasileirão, uma boa parcela de responsabilidade vai ao goleiro.

Chamada Trivela FC 640X63