O meio-campista Thiago Alcântara, de 27 anos, é um dos principais articuladores da seleção espanhola. Nascido em Bari, na Itália, filho de brasileiros – é filho do ex-meio-campista Mazinho – e criado na Espanha, o jogador defendeu as seleções de base do país onde morou e se formou como jogador no Barcelona. Em entrevista ao programa El Larguero, da rádio Cadena Ser, o jogador comentou sobre Barcelona, Bayern de Munique, Copa de 2018 e até sobre o Real Madrid.

LEIA TAMBÉM: Clube espanhol traz uma excêntrica versão do sistema circulatório em seu novo uniforme

“No futebol tudo está inventado, mas vai se modificando. Hoje em dia é muito mais físico que décadas atrás, o que mais escasso é o talento. Os treinados que conseguem potencializar jogadores com talento além do físico e tático terão uma equipe mais completa”, disse o meio-campista.

Um dos pontos mais criticados da Espanha na Copa do Mundo de 2018 – e que já vem como crítica há mais tempo, amenizada pelos bons resultados – é o excesso de toque de bola. “Quando termina uma partida e um rival te diz ‘nós apanhamos de todos os lados’, creio que você respeita mais o oponente sendo como você é, ainda que faça sete gols”, comentou.

O meio-campista do Bayern de Munique ainda falou sobre as diferenças sobre o ex-treinador, Julen Lopetegui, agora no Real Madrid, e o atual, Luis Enrique. “Ambos te fazem viver a forma como querem jogar. Há matizes, mas ambos coincidem com a pressão alta e em ter a posse de bola o maior tempo possível”, analisou Thiago.

Copa 2018

O meia da seleção espanhola também comentou a demissão de Julen Lopegui, que para ele, acabou prejudicando o time. “Não seria impossível, mas os números caíram muito. Você tem muito menos possibilidades quando teu treinador, com quem já está há dois anos e está invicto, sai. É como um castelo de cartas, o normal é que seja mais complicado. Não sei o que pensam os outros jogadores, mas se te coloca dois dedos na frente, seria normal chegar à final com a mesma equipe, com o mesmo grupo que tínhamos”, comentou.

Um dos rumores que surgiram sobre a seleção espanhola na Copa é de um excesso de poder aos jogadores depois da demissão de Lopetegui, o que teria gerado preguiça de alguns. “Nós ali estávamos em uma situação extrema depois da saída do nosso treinador. Já era motivo suficiente de concentração para a equipe. Havia tempo livre para descansar, jogar as cartas… Mas estávamos em um Mundial e todos éramos conscientes da situação que vivíamos. Como chega ao público uma preguiça se não havia uma imagem pública disso? Ou estávamos com a família, ou estávamos falando sobre a situação, na academia… Passamos muito tempo trabalhando da mesma forma e como fizemos uma Eurocopa muito ruim e uma Copa ruim e não se encontram desculpas esportivas, se busca fora disso. Vamos ser um pouquinho humanos, temos que ver que coisas nós erramos, mas esportivamente”, disse Thiago.

Situação de Julen Lopetegui

“Julen é um grande treinador, fez coisas muito boas na seleção e certamente fará o mesmo no Real Madrid. Sempre que chega um novo treinador primeiro tem que conhecer e logo há um caminho que irão recorrer juntos. Estamos no início de temporada e há críticas quando ainda não se jogou muita coisa. É uma especulação muito grande, falta muita temporada. Têm toda a capacidade do mundo para treinar o Real Madrid, é tremendo como se passa de ser a melhor equipe da Europa para a pior, aconteceu conosco na Bundesliga”, disse Thiago. “No ano passado com Zidane também começou mal a temporada e logo foram campeões da Europa, é preciso dar margem para o projeto, vamos ser pacientes com o futebol”.

Saída do Barcelona

“Não é que eu tinha que sair, vi que no Barcelona não era possível crescer e teria que dar um passo para crescer, já fora na Espanha ou em outra liga. Sempre serei grato ao Barcelona por tudo que me ensinaram, mas chega um momento que você quer ir a outro lugar para não decepcionar a todos que te ensinaram tanto”, explicou o jogador.

Quando perguntado se iria para o Real Madrid, ele não quis descartar, mas deixou claro que há um sentimento pelo Barcelona que dificulta. “Eu sempre respeite todas as equipes independentemente da rivalidade que pode haver. Outra coisa é o respeito por um clube que te formou e ir a um outro lugar pode haver um conflito. Mas nesse momento, não foi esse o tema, apareceu Pep com o Bayern e não considerei outras opções”, disse o jogador.

Pressão sobre Niko Kovac

O início de temporada do Bayern tem sido titubeante e o técnico Niko Kovac, que é um recém-chegado. E um dos nomes especulados é de Zinedine Zidane, tricampeão da Champions League nas três últimas temporadas pelo Real Madrid e que decidiu deixar o clube da capital espanhola. “Zidane? São rumores. No elenco do Bayern somos muito veteranos e sabemos lidar com isso. Tentamos trabalhar para mudar a situação à frente. Temos uma bonita tradição de estamos todos juntos no final das partidas com nossas famílias, por isso nos dói mais quando perdemos”, afirmou ainda o jogador.

A Espanha joga nesta quinta-feira, às 15h45, contra Gales, em amistoso. Na próxima segunda, 15, a Espanha recebe a Inglaterra em Sevilla, às 15h45. Confira os jogos transmitidos na Programação de TV.