Terry visita torcedor com leucemia e lhe dá um belo motivo para sorrir em meio à luta contra a doença

Durante tour pós-temporada na Austrália, capitão do Chelsea leva taça da Premier League para encontro com Connor, pequeno torcedor dos Blues internado

O Chelsea aproveitou o sucesso na temporada inglesa, em que conquistou de maneira antecipada o título da Premier League, para organizar um tour pós-temporada. Prática pouco comum, mas em tempos de fair play financeiro, é bom aproveitar as oportunidades para se embolsar mais dinheiro. Para John Terry, no entanto, a viagem à Austrália também teve muito a acrescentar humanamente. Em visita a um hospital em Sydney, o capitão dos Blues conheceu Connor Ansell, pequeno torcedor do time londrino e que, atualmente, luta contra a leucemia. A maneira como o zagueiro tratou o garotinho certamente tornou o dia especial para Connor.

VEJA TAMBÉM: [Editorial] Nós, os bilhões que amam futebol pelo mundo, vencemos

Além de levar uma camisa autografada, o que é de praxe entre jogadores que visitam hospitais que cuidam de crianças com doenças terminais, Terry carregou consigo até o quarto de Connor a tão cobiçada taça da Premier League. A alegria do garoto é visível na foto compartilhada pelo zagueiro em sua conta no Instagram. Na postagem, o capitão explicou como o encontro foi possível.

“O Connor está lutando contra a leucemia, e o Chelsea recebeu um e-mail antes de nossa viagem à Austrália, que pedia para que o clube fizesse de tudo para animá-lo, já que ele era um grande torcedor do Chelsea. Estávamos a caminho de visitá-lo ontem, antes do treino, mas o trânsito nos forçou a dar meia volta e ir para o treino. Então, depois do almoço de hoje, fomos ao hospital ver o Connor, com a taça da Premier League, e colocamos um grande sorriso em seu rosto. Você é uma inspiração, meu amigo, continue lutando”, escreveu Terry.

Uma atitude gigante de um atleta que aprendeu que a liderança em um clube do tamanho que o Chelsea alcançou não pode se resumir apenas aos limites das quatro linhas, mas também superá-las, seja na maneira como representa a instituição com palavras ou no modo como se torna um elo com os torcedores. Depois de quase 17 anos no Stamford Bridge, dá para dizer que Terry aperfeiçoou muito bem isso.