Nem mesmo o treinador Alan Pardew parece acreditar. O treinador do West Ham reconheceu nesta terça “estar intrigado” pela contratação de Carlos Tevez e Javier Mascherano na semana passada. Os dois argentinos foram apresentados oficialmente nesta manhã pelos Hammers.

“Com o clube tendo admitido ter aberto conversas para uma possível venda, tudo é muito intrigante, inclusive para mim. Mas não ligo para o que as pessoas estão dizendo. Conseguimos dois jogadores de nível mundial – vamos comemorar”, afirmou Pardew em entrevista coletiva na sede do clube.

O treinador também falou sobre a grande repercussão sobre estas negociações na mídia. “A maior parte da imprensa tratou de forma negativa. As pessoas não gostam de mudanças. Mas algumas coisas publicadas sobre este assunto, como negociações nebulosas, não são verdadeiras até onde eu sei”, disse.

Pardew desmentiu os boatos de que tanto Tevez como Mascherano ficariam por pouco tempo no West Ham, apenas para ganhar experiência no futebol inglês e se transferirem para um clube maior. “Eles assinaram contratos por quatro temporadas, e as pessoas já se esqueceram disso. Posso assegurar que os dois não deixarão o clube na próxima janela de transferências. Queremos desafiar os maiores clubes e estas contratações nos ajudarão a isso. Mas nunca serei forçado a escalá-los, como tem sido sugerido. Se este fosse o caso, eu nunca mais estarei aqui”, comentou.

A transferência dos argentinos gerou uma série de suspeitas. No ano passado, houve boatos de que a MSI, empresa parceira do Corinthians e dona dos direitos de Tevez e Mascherano, estaria interessada em comprar o West Ham. O próprio Kia Joorabchian, presidente da MSI, teria conversado com os dirigentes dos Hammers a respeito do interesse da empresa em adquirir o controle majoritário do clube. O iraniano estaria disposto a injetar cerca de chr(128) 293 milhões no time.

Os dois jogadores saíram do Corinthians após uma série de problemas no clube. Chamou a atenção o fato de ambos terem se transferido para um time médio porte da Inglaterra, quando Kia desejava em negociá-los com equipes de primeira linha. Além disso, a ausência de maiores detalhes sobre as negociações também levantaram diversas dúvidas.