Técnico do time, cego marca de pênalti na sexta divisão sueca

Andreas Engström, com apenas 1% de visão no olho esquerdo, treinava cobranças com o pai e o resultado foi um gol no Bäckhammar

Andreas Engström jogou futebol até os 21 anos, época em que foi diagnosticado com uma séria doença ocular. Ficou com 1% de visão no olho esquerdo. Ele gostava muito de dirigir, mas esse prazer foi impossível manter. O futebol, não. Continuou no Ulvsby como secretário, estatístico, editor de internet, facilitador e finalmente treinador. E no último fim de semana, aos 29, teve a alegria de comemorar um gol na sexta divisão do futebol sueco.

Engström tem certa dificuldade para reunir jogadores para os jogos e por isso designou-se como um dos reservas. O técnico ouviu de John Hansen, um dos seus jogadores, que o time tentaria conseguir um pênalti e que ele entraria para bater. Dito e feito. Quando o placar marcava 5 a 0 contra o Bäckhammar, Engström entrou em campo, fez o gol e depois voltou para o banco de reservas.

“Eu estava realmente nervoso. Um dos caras colocou a bola na marca, eu fui para trás e senti a bola exatamente onde ela estava. Conseguia, bem incertamente, discernir onde estavam os postes. Eu mirei na trave da direita. Achei que tivesse errado, chutado no meio, mas ouvi a galera comemorar”, contou ao sueco NWT.

“Meus companheiros perguntaram como eu tive tanta frieza, como esperei o goleiro cair antes de chutar. Não faço ideia”, acrescentou.

Talvez tenha sido resultado dos treinamentos com o pai Goran, que sempre vê as partidas da linha lateral do campo, mas, desta vez, não pôde ir. Sem problemas. A cobrança de pênalti foi filmada. “Quando ele viu, ficou perturbado de tanto chorar. Foi emocionante. Ele e minha mãe sabem o quanto eu queria jogar futebol de verdade”, disse.

Então, agora Engström é o cobrador oficial da equipe? “Seria engraçado em uma situação parecida, mas tem que ser com o jogo decidido, para não afetar o time”, disse o ponderado e competitivo treinador do Ulvsby.

Veja o gol: