Tardelli ganhou títulos, virou titular da Seleção… e não valorizou nada?

Tão estranho quanto ver um titular de Dunga ir à China é perceber que seu valor continuou praticamente o mesmo

“Jogador está valorizado, é a oportunidade da vida.” Essa frase é muito comum para justificar a ida de um atleta em bom momento para o exterior, aceitando uma proposta que talvez não fosse tão alta em outro momento. A não ser que seja Diego Tardelli. O atacante do Atlético Mineiro vive o melhor momento de sua carreira, mas seu espaço no mercado ficou quase inalterado. Pelo menos foi o que ocorreu nas negociações mais recentes do jogador.

Chamou a atenção da maioria o fato de o atacante titular da seleção brasileira de Dunga ir ao Shandong Luneng, da China, ao invés da Europa. De fato, é um sinal de que o Brasil não está em alta entre os clubes europeus. O fato de o atacante do Atlético ter 29 anos também inibe potenciais compradores. Mas a questão mais curiosa é o que ocorreu com seu valor.

Em 2013, Diego Tardelli foi anunciado como uma das grandes contratações do Galo para a disputa da Libertadores. O clube mineiro pagou € 5,25 milhões para tirá-lo do Al-Gharafa, do Catar. Depois da estadia no Oriente Médio, Tardelli voltou ao Galo, ganhou a Libertadores, a Recopa Sul-americana, a Copa do Brasil, e virou o camisa 9 da seleção brasileira, decidindo inclusive um amistoso contra a Argentina, disputado na própria China.

Pelos critérios normais do mercado, houve uma evidente valorização. Mas não foi o que ocorreu na prática. Dois anos depois, o Atlético teria vendido o atacante ao Shandong Luneng, da China, por € 5,5 milhões, apenas € 250 mil a mais que pagou. A informação é do clube chinês, pois os atleticanos não anunciaram oficialmente por quanto foi o acordo. Alan, ex-atacante do Fluminense que estava muito bem no Red Bull Salzburg nas últimas temporadas, com títulos e muitos gols (é o atual artilheiro da Liga Europa), custou quase € 12 milhões aos cofres do Guangzhou Evergrande, que pagou € 15 milhões por Ricardo Goulart.

Claro que há alguns atenuantes aí. A cotação do euro subiu significativamente nos últimos anos, e a diferença em reais das negociações de 2013 e de 2015 é muito maior que na moeda europeia. Além disso, o atacante ficou dois anos mais velho e o Atlético tem salários atrasados e ainda deve dinheiro ao Al-Gharafa pela transação inicial, o que poderia forçar a diretoria a fazer dinheiro rápido.

De qualquer modo, o valor divulgado pelo Shandong Luneng contraria uma lógica do mercado do futebol. Se Tardelli realmente deixou Belo Horizonte por € 5,5 milhões, é sinal de que alguma coisa não funcionou direito. Ou o Atlético pagou caro demais ao Al-Gharafa devido à relação entre o jogador e a torcida, ou ficou em situação delicada para poder barganhar mais com os chineses.