Há uma semana, o Racing conquistou o título do Campeonato Argentino, ao empatar com o Tigre fora de casa. Já neste domingo, aconteceu o reencontro da Academia com sua torcida, pronta para celebrar a taça. Como era de se esperar, o Cilindro de Avellaneda contou com um fumegante recebimento e muita cantoria para homenagear os heróis. Todavia, uma cena um tanto quanto inesperada também tomou o gramado durante a entrada dos times. Se na Espanha o tradicional ‘pasillo’ serve para aclamar os campeões, os racinguistas resolveram inverter os papéis. Enfileirados, os jogadores aguardaram a saída do Defensa y Justicia, adversário na rodada final e exatamente o vice da competição. Exaltaram, assim, a campanha imensa dos pequeninos – apresentando um futebol ofensivo e acima das expectativas para o seu orçamento. Sinal de companheirismo, às equipes que proporcionaram uma grande disputa.

Quando a bola rolou, permaneceu a igualdade. O Racing abriu o placar com Jonathan Cristaldo, mas o Defensa buscou o empate por 1 a 1, graças ao tento de Matías Roja. A Academia terminou a campanha com 57 pontos, quatro a mais que os auriverdes. Além disso, o time de Eduardo Coudet também contou com o melhor ataque, a melhor defesa e somou mais vitórias que qualquer outro concorrente. Os dois primeiros colocados se classificaram à fase de grupos da Libertadores 2020, assim como o Boca Juniors. Já o River Plate, quarto colocado, ficou com a vaga nas preliminares. Atlético Tucumán, Vélez Sarsfield, Independiente, Unión Santa Fe e Huracán vão à Copa Sul-Americana. Já os rebaixados no promédio são San Martín de Tucumán, Belgrano, San Martín de San Juan e o Tigre – que terminou em nono, mas perdeu a vaga nos torneios continentais justamente pelo descenso.

Um dos mais festejados na tarde do Cilindro, Lisandro López ganhou uma baita homenagem dos torcedores do Racing. Aos 15 minutos do primeiro tempo, em referência à camisa do veterano, os espectadores ergueram um bandeirão com o rosto de Licha e o aplaudiram. O centroavante terminou como artilheiro da Superliga, com 17 tentos. Quebrou o recorde como jogador mais velho a ser goleador de um campeonato nacional na Argentina, aos 36 anos, e também a marca máxima de tempo desde sua primeira artilharia, 15 anos após se consagrar no Apertura de 2004. Já ao apito final, mais festa aos jogadores, com a entrega da taça. A torcida racinguista ainda gritou bastante o nome do técnico Eduardo Coudet, sob pedidos de que ele renove seu contrato e permaneça em Avellaneda. A esperança de que o excelente trabalho continue frutificando.