O último dia de janela de transferências teve uma tentativa de última hora do Milan: fez proposta para levar Taison para a Itália. Só que o Shakhtar Donetsk, time do jogador, não aceitou a oferta e manteve o seu camisa 7 e capitão. Aos 31 anos, convocado por Tite para a Copa do Mundo de 2018 (foi reserva e não entrou em campo), o ex-jogador do Internacional está no Shakhtar desde 2013. Tem sido um dos principais jogadores do time e, talvez por isso, o clube ucraniano não quis permitir que ele saísse. O descontentamento, porém, foi claro.

“Congratulation on ending my dream! Outra vez o sonho foi cancelado”, publicou o jogador nos stories do seu Instagram, revelando bastante frustração pelo fracasso na negociação. Taison está na Ucrânia desde 2010, quando foi vendido pelo Internacional ao Metalist Kharkiv, clube que deixou de existir em 2016. Foi para o Shakhtar em 2013 e, desde então, tem sido um jogador importante para o clube. Na atual temporada, fez dois gols e quatro assistências em cinco jogos.

Segundo o Corriere dela Sera, havia um acordo verbal de Taison com o Shakhtar que caso um grande clube europeu fizesse proposta por ele, em um valor razoável, o jogador seria liberado. O Milan chegou perto da cláusula de rescisão do jogador, mas mesmo assim não foi liberado. Isso possivelmente explica a raiva do brasileiro, que ficará na Ucrânia ao menos até o mercado se abrir novamente, em janeiro. Vale lembrar que em maio de 2017 ele renovou com o Shakhtar e passou a ter contrato válido até 2021.

O Milan fez uma proposta de € 20 milhões para levar o brasileiro a Milão. O clube italiano estava em conversas adiantadas com o Shakhtar Donetsk para avançar na negociação. Só que o clube ucraniano decidiu, então, pedir mais. Quis que o Milan pagasse a cláusula de rescisão do camisa 7, de € 30 milhões. O clube rossonero ofereceu também a proposta de um empréstimo com opção de compra, o que também foi recusado. O negócio, então, não aconteceu.

Assim, Taison lamentou no Instagram, reclamando da postura do Shakhtar, porque sabe que esta era possivelmente uma das últimas chances de atuar em uma das grandes ligas da Europa. Restará atuar na Champions League pelo clube, que está no Grupo C, ao lado de Manchester City, Atalanta e Dinamo Zagreb. A estreia será no dia 19 de setembro, contra o Manchester City, em casa.