A belíssima trajetória de Óscar Tabárez à frente da seleção uruguaia seguirá em frente. Apesar dos rumores de que o treinador pudesse não renovar o seu contrato com a Celeste, por conta das debilidades em sua saúde e da doença degenerativa que limita os seus movimentos, o veterano de 71 anos permanece na direção do time – com contrato assinado até o Mundial de 2022. E dá novas mostras de seu caráter, independentemente da gratidão dos compatriotas. A prefeitura de Montevidéu planejava instalar uma estátua do comandante na cidade. No entanto, ele pediu para que a homenagem não seja feita, diante das discussões acaloradas sobre a pertinência da obra.

VEJA TAMBÉM: Gracias, Maestro Tabárez

Tabárez entrou em contato com a Intendência Departamental de Montevidéu para solicitar que a escultura em tamanho real não seja produzida. Assim, a prefeitura publicou um comunicado afirmando que deixará o projeto de lado. “Desde o primeiro momento, a prefeitura manteve contato com Tabárez e ele aceitou a ideia como forma de agradecimento. O espírito dessa homenagem implicava em destacar a figura de Tabárez como emblema de um caminho que teve uma filosofia positiva em nossa sociedade (de difusão de valores como o respeito, a unidade e a boa convivência) e que, entre outras coisas, significou o abraço de milhares de uruguaios e uruguaias na esplanada em um marco de tolerância. A apresentação pública da ideia gerou um debate intenso que envolveu várias áreas de nossa sociedade. Neste contexto, o maestro Tabárez se comunicou para solicitar que o projeto fosse interrompido”, aponta a nota.

O projeto tinha sido lançado pelo sociólogo Eric Alvez e teve várias assinaturas favoráveis na plataforma Montevideo Decide, que convoca os cidadãos a opinarem sobre temas ligados à política pública na capital. Tabárez havia aceitado inicialmente por considerar a ideia como um reconhecimento das pessoas, que apoiam a seleção e são fundamentais ao seu ‘processo’, mas mudou de ideia diante das contestações. “Além de agradecer as intenções e ações de tantas uruguaias e tantos uruguaios, Tabárez manifestou que não aceitará uma homenagem que implique em romper este espírito de unidade e encontro que a seleção nacional busca gerar e fomentar. Considerando que os argumentos dados pelo Maestro são compreensíveis, e respeitando o que ele sente, a prefeitura não continuará estudando a viabilidade do projeto”.

A construção da estátua não era o único projeto com a intenção de homenagear Tabárez em Montevidéu. Ainda durante a Copa do Mundo, foi lançada uma petição para que uma escola pública uruguaia leve o nome de Óscar Washington Tabárez – algo que, segundo os criadores da campanha, representa de maneira muito mais fiel a importância do técnico do que uma estátua ou um monumento. Reconheceria não apenas seu passado como professor na escola pública, antes de abraçar definitivamente a carreira de técnico, como também os ensinamentos à frente da Celeste. Fato é que, pelos próximos quatro anos, a renovação de contrato com o treinador permite que ele continue usando a seleção como uma aula produtiva sobre a identidade do Uruguai. E não é a falta de uma estátua que impedirá as exaltações por aquilo que o técnico protagoniza.