Durou pouco a primeira empreitada de Sylvinho como treinador de uma equipe principal. Nesta segunda-feira (7), o Lyon anunciou a rescisão de contrato do técnico, que ficou no comando por apenas 11 partidas. O clube afirmou que será treinado interinamente por Gérald Baticle antes de encontrar um sucessor ao brasileiro.

A situação de Sylvinho vinha piorando consistentemente neste início de temporada. Depois de duas vitórias nas duas primeiras rodadas da Ligue 1, incluindo um 6 a 0 sobre o Angers, a equipe não venceu mais nas sete partidas seguintes do campeonato. A derrota por 1 a 0, no domingo (6), no clássico contra o Saint-Étienne foi a gota d’água que transbordou o copo de paciência do Lyon.

Em nove partidas na Ligue 1, Sylvinho acumulou apenas nove pontos, com duas vitórias, três empates e quatro derrotas. Este é o pior início do OL no Campeonato Francês desde a temporada 1995/96, 24 anos atrás.

O fracasso de Sylvinho se torna ainda mais significativo diante das circunstâncias. Jean-Michel Aulas, presidente do Lyon há 32 anos, demitiu treinadores com a temporada em andamento apenas em quatro oportunidades antes do brasileiro, e duas delas aconteceram ainda em seu primeiro ano à frente do clube, na temporada 1987/88. Conhecido por ser um mandatário com muita paciência com os treinadores – Bruno Genésio que o diga –, mesmo Aulas não pôde sustentar a situação de Sylvinho.

O presidente vinha bastante calado até agora na temporada, sem conceder muitas entrevistas. Após a derrota no clássico no domingo, no entanto, sentiu a necessidade de falar a seus torcedores por meio da imprensa, ainda na noite de domingo. Em suas respostas, revelou que, antes de tomar qualquer decisão, consultaria a opinião dos jogadores e de outros treinadores no clube. Além disso, disse que cabia também a Juninho, diretor esportivo, pensar no próximo passo.

“O Juni é responsável pelo departamento esportivo. Ele vai pensar nisso. Evidentemente, ele está abalado, porque chegou com muita esperança. Talvez ele tenha um pouco menos de perspectiva do que eu consigo ter, com 32 anos de experiência. (…) Ele irá propor coisas, e eu decidirei com o conselho de administração”, comentou.

Juninho Pernambucano, ídolo dos Gones, assumiu o cargo executivo antes do início desta temporada, e foi dele a decisão de contratar Sylvinho para o comando técnico da equipe. Apesar do péssimo trabalho do treinador novato indicar um problema em seu processo de escolha, ainda conta com crédito, muito por conta do que fez como jogador pelo clube, e seguirá em seu cargo.

Com a demissão tendo passado por consulta a jogadores, treinadores e ao próprio Juninho, e vindo de um presidente acostumado a dar bastante tempo a seus técnicos, o momento traz a Sylvinho um necessário exercício de reflexão – sobre o que deu tão errado, os poucos acertos e, inevitavelmente, qual o caminho certo para sua carreira no futebol.

Ao Lyon, a decisão pode representar uma oportunidade de iniciar novo momento no Campeonato Francês ainda a tempo de alcançar os objetivos. Apesar da 14ª colocação, com nove pontos, o time está a apenas seis do quarto colocado, o Bordeaux. Na Champions League, o OL somou quatro pontos em dois jogos, com empate com o Zenit e vitória sobre o RB Leipzig. Com a condução certa, tem tudo para ainda ter uma temporada de sucesso.