Futebol é um esporte, é competição e, no fim, vencer é sempre um objetivo básico. Mas é preciso entender que no esporte, a vitória não é a única coisa que importa. A Suécia venceu a Tailândia por 5 a 1 em Nice, pela segunda rodada da Copa do Mundo Feminina. A goleada, porém, fica marcada não pelos cinco gols suecos, mas pelo gol tailandês. A emoção das tailandesas com o seu gol foi contagiante. Um time que tinha tomado 13 a 0 no primeiro jogo, algo que é sempre dolorido. A Suécia, com a vitória, está classificada para a próxima fase, já que venceu também o primeiro jogo, contra o Chile.

Muitos gols perdidos

A Suécia dominou o jogo desde o primeiro minuto. O time tailandês não ofereceu muita resistência defensiva, como já tinha sido contra os Estados Unidos. As suecas, porém, foram bem diferentes das americanas. Se o time de Alex Morgan e companhia foi preciso nas finalizações e a maior parte dos ataques terminou em gol. As suecas criaram muito no primeiro tempo. Foram 20 finalizações, com sete delas no gol. Apesar de dominar amplamente o jogo, a Suécia errou muito também. Os gols saíram naturalmente porque a Tailândia está em um patamar muito inferior em termos de futebol.

No segundo tempo, a produção ofensiva caiu muito. Foram menos chutes a gol, 15, o que ainda é muito em um jogo comum, mas dentro do contexto de ser contra um time que quase não oferece resistência, acabou sendo pouco, porque foram só cinco chutes certos. Diferente também das americanas, que ficaram com o pé embaixo desde o começo do jogo até o apito final, as suecas se pouparam muito mais. Tanto que o técnico fez todas as substituições relativamente cedo, sendo uma no intervalo, uma aos 24 minutos e outra aos 32.

Por tudo isso, o placar de 5 a 1 foi até pouco. Se a Suécia tivesse sido um pouco mais eficiente, poderia ter ganhado por muito mais. É compreensível que o time não tenha entrado com o pé embaixo o tempo todo sabendo que o time tailandês está tanto degraus abaixo.

Gol emocionante

A diretora da seleção, Nualphan Lamsam, no centro, motiva as jogadoras depois da goleada (Getty Images)

Quando saiu o gol da Tailândia, aos 46 minutos, foi uma comoção. Um lançamento longo de Taneekarn Dangda para a atacante Kanjana Sung Ngoen. Ela avançou, em velocidade, e chutou no canto da goleira. Um gol histórico – o primeiro da Tailândia em uma Copa do Mundo. No banco, a técnica estava emocionada, assim como a diretora da seleção, Nualphan Lamsam, que é também uma empresária que é quase como mecenas da seleção. Ela emprega várias das jogadoras no período sem jogos na seguradora onde trabalha. Ela se emocionou com o gol e a câmera mostrou que ela chorava de alegria ao ver o gol.

“O gol significa muito para nós. É um gol difícil e jogando contra um grande time como a Suécia, significa muito. Significa que toda a nossa preparação valeu a pena. Nós tivemos nossas chances hoje. Esse gol nos fez rir, nos fez sorrir e nos fez felizes. Nossa derrota no último jogo foi enorme, nos sentimos decepcionadas. Mas mesmo que tenhamos marcado só um gol hoje, nós tivemos algum sucesso. Mas ainda precisamos melhorar e chegar perto dos supertimes. O Chile será difícil a seguir, mas conquistar um ponto nesta Copa é o que queremos”, afirmou a treinador da Tailândia Nuengrutai Srathongvian.

Destaque para Asllani

Kosovare Asllani, da Suécia, eleita a melhor em campo (Getty Images)

A camisa 9 da Suécia foi mais uma vez destaque. Fez o segundo gol do time, depois de ter marcado também no primeiro jogo. Embora vista a camisa 9, Kosovare Asllani joga atrás da centroavante Anna Anvegard. Ao longo da partida, fez cinco passes decisivos, além do gol, e é uma jogadora que, com liberdade, gera muitos problemas à defesa adversária, até porque se mexe muito em campo.

Próximos jogos

Os dois times voltam a campo na última rodada para um jogo ao mesmo tempo. No próximo dia 20, quinta-feira, a Suécia enfrenta os Estados Unidos, em Le Havre, enquanto a Tailândia enfrenta o Chile, em Rennes. Será que a aventura tailandesa termina com a conquista de um ponto?

Jogadoras da Tailândia mostram que a goleada não as abalou e tiram uma selfie depois do jogo (Getty Images)

Ficha técnica

Suécia 5×1 Tailândia

Local: Allianz Riviera, em Nice
Árbitra: Samila Mukasanga (Ruanda)
Gols: Linda Sembrant aos 6’/1T, Kosovare Asllani aos 19’/1T, Fridolina Rolfö aos 42’/1T, Lina Hurtig aos 36’/2T, Elin Rubensson aos 51’/2T (Suécia), Kanjana Sung Ngoen (Tailândia)
Cartões amarelos: Taneekarn Dangda (Tailândia)

Suécia: Hedvig Lindahl; Hanna Glas, Milla Fischer, Linda Sembrant e Magdalena Eriksson; Elin Rubensson e Caroline Seger (Olivia Schough); Fridolina Rolfö (Madelen Janogy), Kosovare Asllani e Lina Hurtig; Anna Anvegard (Mimmi Larsson). Técnico: Peter Gerhadsson

Tailândia: Waraporn Bonnsing; Ainom Phancha, Natthakarn Chinwong e Pitsamai Sornsai e Sunisa Srangthaisong; Taneekarn Dangda, Silawan Intamee (Sudarat Chuchuen), Pikul Khuenpet e Suchawadee Nildhamrong e Rattikan Thongsombut (Orathai Srimanee, depois substituída por Orapin Waenngoen); Kanjana Sung Ngoen. Técnica: Nuengrutai Srathongvian