Sucesso alemão

Começou na semana passada o campeonato alemão, uma das principais ligas do mundo. Não vamos debater aqui se o Borussia Dortmund é melhor que o Barcelona ou se o Bayern de Munique é melhor que o Milan. Melhor deixar essa discussão técnica para Pedro Venancio, colunista de futebol germânico na Trivela. Entretanto, analisando do ponto de vista administrativo, veremos que a Bundesliga é um sucesso.

Comecemos pela média de público. Na última temporada foram incríveis 42.101 pessoas por jogo. Número impulsionado pela torcida do atual campeão Borussia Dortmund, com média estarrecedora de 78.416 e do Bayern de Munique, 69.639 por jogo. A melhor média da Europa pode ser explicada por alguns fatores: os modernos estádios (que não são elefantes brancos) pós Copa-2006 trazem conforto ao torcedor, o que não acontece nos velhos estádios da Itália, por exemplo. O preço dos ingressos também ajuda. Tickets para a Bundesliga são mais baratos que na inglesa Premier League, outra badalada liga.

Engana-se quem pensa que essa modernização elitizou o esporte. Basta assistir pela TV para notar que boa parte do público é realmente formado por torcedores, e não meros espectadores de teatro. Prova de que organização pode sim fazer parte do futebol, sem que este perca suas características.

Administrativamente os clubes também dão bons exemplos. Os alemães seguem a linha pé no chão, indo na contra-mão das ligas europeias. Não há por exemplo contratações por cifras impressionantes. Ou magnatas periféricos que aparecem para comprar clubes e gastar à vontade. Para se ter uma ideia, a principal contratação do Bayern de Munique para essa temporada foi Manuel Neuer, ex-goleiro do Schalke 04.

O campeão Borussia Dortmund dá outro bom exemplo: juventude. A média de idade do time na última temporada foi vinte e três anos. No atual elenco, dezessete alemães, alto número para os padrões continentais. Trabalho alinhando ao da seleção alemã, que mostrou na última Copa jovens valores como Khedira, Muller e Ozil, e agora exibe Gotze.

No cenário europeu o bom desempenho dos clubes germânicos também se reflete. Sem grandes loucuras econômicas, bons resultados em campo renderam à Alemanha a terceira colocação no ranking de clubes da Confederação Europeia (UEFA), ultrapassando os italianos no número de vagas para as principais competições.

Se as medidas financeiras fairplay que a UEFA pretende adotar vingarem, alguns dirigentes ficarão com os cabelos em pé. Na Alemanha, aparentemente, o trabalho continuará como um dia após o outro.

Uma aula.

Siga também no Twitter: @juniorlourenco e no Facebook: http://migre.me/5u0KI

Obs: abaixo, um vídeo com a torcida do Dortmund.