Diego Costa foi substituído aos 11 minutos do segundo tempo e não ficou contente. Com exceção de uma chance logo no começo da partida, mal havia tocado a bola. Em seu lugar, havia entrado o volante Marcos Llorente, escolha de Diego Simeone para reforçar o meio-campo, setor que o Liverpool dominava. No fim das contas, com dois gols decisivos, o espanhol de 25 anos acabou entregando muito mais do que o seu treinador poderia imaginar.

Llorente foi uma venda necessária do Real Madrid para equilibrar o caixa no começo da temporada, depois de um mercado em que gastou muito dinheiro. Ele havia chegado a ser titular com Santiago Solari, mas perdeu espaço com o retorno de Zinedine Zidane. Acertou com o Atlético de Madrid esperando que seu estilo de boa  marcação e força física casasse bem com o time de Simeone.

Não tem sido bem assim. Ele atuou apenas 24 vezes nesta temporada, nove como titular, em um total de 986 minutos, o que dá aproximadamente 11 partidas completas. Foi apenas sua terceira participação nesta Champions League, nenhuma delas desde o início.

A decisão de tirá-lo do banco foi lógica. O Liverpool dominava a partida a partir do meio-campo, com Henderson como ponto de equilíbrio, Alex-Oxlade Chamberlain se movimentando e batendo de média distância e Wijnaldum infiltrando-se na grande área. Era necessário reforçar a proteção do Atlético de Madrid ao setor.

Simeone afirmou que Llorente “revolucionou a equipe”, mas dificilmente ele esperaria dois gols decisivos de um jogador que, em seus 100 jogos anteriores por três clubes diferentes (Atleti, Real Madrid e Alavés) havia ido às redes apenas três vezes.

Mas foi isso que ele fez, com duas batidas de fora da área. A primeira contou com a contribuição de Adrián, que abriu todo o canto esquerdo para que ele colocasse a bola nas redes, mas acertou a segunda no único lugar em que ela passaria.

Foram seus únicos dois chutes a gol, mais que suficientes para decidir a classificação do Atlético de Madrid. Uma substituição iluminada de Diego Simeone, mesmo que o seu objetivo primário fosse outro.

.

.