Das tribunas do estádio San Siro, o argentino Mauro Icardi acompanhou ao lado da esposa e representante Wanda Nara a derrota da Internazionale diante da Lazio, por 1 a 0, no último domingo. Sem lesão diagnosticada e em meio à turbulenta negociação para renovar o contrato do atacante, o jogador segue sem entrar em campo desde 9 de fevereiro, e mesmo tendo voltado aos treinamentos na última semana, foi mantido de fora da convocatória. Após o jogo, o técnico Luciano Spalletti se posicionou de maneira forte sobre a decisão de não escalar Icardi e evidenciou ainda mais o mal-estar existente entre as partes envolvidas.

“As coisas como estão hoje, pelo jeito com que ele (Icardi) se comportou, ele tem que ficar fora e outros tem que jogar. É claro para qualquer um ver o que aconteceu e como os eventos se desdobraram”, disse o treinador, mantendo o tom indignado em suas declarações. “Eu penso que ele poderia ter jogado 20, 30 minutos, até um tempo inteiro, mas este não é o ponto. Aqueles que estão no vestiário precisam jogar. Você precisa ter credibilidade com o grupo. Eu tenho tido credibilidade por 22 anos na minha carreira, eu tenho credibilidade com os jogadores”.

Em seguida, Spaletti criticou a negociação, não apenas da renovação, mas do retorno de Icardi às atividades diárias no clube. “Essa mediação é humilhante para os torcedores e para aqueles que amam a Inter. A necessidade de negociar com alguém apenas para que ele vista a camisa que eles amam. É humilhante”, completando o sermão de forma irônica. “Eu tenho que ligar para 20 advogados e perguntar a eles se posso escalar alguém?”.

O assunto Icardi dominou a coletiva de imprensa, e a cada nova frase proferida por Spalletti, a sensação de que a novela entre Mauro Icardi e Internazionale está longe de acabar só crescia. “As pessoas dizem que nós perdemos jogos sem Icardi. A Inter não se classificou para a Champions League por anos com Icardi. A Inter perdeu jogos piores que este com Icardi”. O técnico usou até o compatriota do camisa 9, Lionel Messi, para defender sua escolha. “Messi faz a diferença, não Icardi, com todo o respeito”. Nessa queda de braço, Luciano Spalletti já mostrou que não está disposto a ceder. “ Profissionalismo e respeito próprio são tudo. Disciplina é tudo”, encerrou.