A Internazionale terá um novo treinador na próxima temporada que chegou dizendo querer fazer o coração dos torcedores ficar acelerado. Luciano Spalletti foi anunciado na semana passada, no dia 9, e deu a sua primeira entrevista coletiva no centro de treinamento do clube, em Appiano Gentile, nesta quarta-feira. O treinador, ex-Roma, deixou claro que a Inter foi muito mal na temporada passada e precisa de mudanças. Também falou sobre os planos, em termos táticos. Por isso, mostramos aqui o que ele disse e também o que esperar do treinador.

LEIA TAMBÉM: Com pênalti decisivo, Lucarelli coloca o Parma a um passo da segunda divisão

“Eu estou aqui para levar o clube de volta onde ele pertence, alinhado com a sua história. A Inter tem uma história maravilhosa e eu quero pegar tudo isso e fazer parte dela – tanto ativamente quanto aproveitando de uma posição privilegiada”, afirmou o treinador. “A Inter tem que ser o time que faz o coração dos torcedores acelerar, com uma identidade clara em campo. Algumas pessoas dizem que estou em uma jornada impossível ao aceitar este trabalho, mas eu não penso assim”.

Spalletti pareceu bastante consciente da situação da Inter. Um dos clubes que mais gastou na temporada passada acabou apenas em sétimo lugar, fora de qualquer competição europeia. “A posição da Inter é horrível e, como muitas pessoas me disseram no avião para cá, é até escandalosa, e a diferença de pontos [para o líder] faz você perceber que algo precisa mudar desde a raiz”, afirmou o novo treinador da Inter.

“Se não estou enganado, nós não ganhamos nada por alguns anos, então ou fazemos algo diferente, ou nós vamos continuar sem ganhar as coisas”, afirmou Spalletti. E ele tem razão. O último título da Inter foi a Copa da Itália da temporada 2010/11, um ano depois da tríplice coroa em 2009/10, ainda com José Mourinho. Desde então, o clube se tornou um moedor de técnicos e, apesar do gasto em transferências nas últimas duas temporadas, ainda não conseguiu nem voltar à Champions League.

“As pessoas continuam perguntando como é possível que a Inter não está em competições europeias por tantos anos e é quase um escândalo. Pareceu assim para mim de fora e eu quero me envolver e ver por mim mesmo”, afirmou ainda o treinador, que já tem uma ideia na cabeça para o time, taticamente.

“A primeira coisa que temos que fazer é jogar como time. A formação 4-2-3-1 é o que eu tenho em mente, mas formações são relativas. O que importa é que os jogadores comprem certas ideias e saibam onde nós queremos estar. De uma perspectiva tática, é importante estudar como a linha defensiva adversária se move”, disse ainda Spalletti. “Nós temos alguns jogadores fantásticos neste elenco, mas eles precisam se adequar dentro do time. Eu quero que todos os meus jogadores se coloquem à serviço do coletivo”.

Muito se fala sobre as contratações que a Inter deve fazer. Há a expectativa que o grupo Suning, da China, dono do clube, tenha um alto orçamento para o técnico trabalhar na remontagem do elenco. “Nós estamos nos processo de discutir transferências. Nós temos que nos assegurar que contratemos os jogadores certos. Nós estamos trabalhando nisso enquanto temos uma ideia como nossos próprios jogadores parecem”, explicou o técnico.

“Há uma série de coisas que precisam ser feitas para que o time vença. Idealmente, nós teríamos todos os jogadores para trabalhar o mais cedo possível. Se um jogador sabe o que nós queremos, é mais fácil para eles se encaixarem. Nós temos 50 dias para trabalhar juntos sem se preocupar com qualquer partida competitiva”, declarou o treinador.

Foram três treinadores na Inter no último ano. Na pré-temporada, Roberto Mancini deixou o clube. Chegou Frank De Boer, demitido no final de outubro. Foi então que assumiu Stefano Pioli, que treinou o time até quase o fim da temporada, quando foi demitido e Stefano Vecchio acabou cuidando da equipe por duas rodadas – assim como tinha feito após a demissão de De Boer, até a chegada de Pioli. A expectativa é que Spalletti acabe com esta rotatividade no banco de reservas com um trabalho consistente.

“Não sou melhor que nenhum dos técnicos que me antecederam, mas eu sou diferente. Nós faremos as coisas do meu jeito, porque é como eu acredito e pedirei aos jogadores para comprarem a ideia porque estarei 100% com eles ao longo do caminho. Eu acho que seria um passo muito longo dizer que eu tenho a solução, mas eu acho que temos todas as chances de levar a Inter alinhada de volta à sua história”, disse, mostrando confiança.

O que esperar de Spalletti?

O contrato com Spalletti é de dois anos e é um técnico que já se mostrou taticamente muito capaz. É também um treinador de linha dura, que costuma exigir muito dos jogadores e não é muito tolerante com dissidentes. A sua saída da Roma, conforme ele mesmo relatou, foi por desavenças em relação ao último ano de Francesco Totti. Segundo Spalletti, o amor pela lenda do clube se tornou maior que o amor pelo time e ele não conseguiu unir a Roma em torno da equipe.

Na Inter, ele terá o desafio de fazer os ótimos jogadores que o clube tem virarem um time organizado e competitivo. Não foi por falta de jogadores que a Inter terminou a temporada em sétimo lugar na Serie A. Isso Spalletti tem muita competência para fazer. A sua Roma era também um time muito ofensivo, de ataque envolvente e muitas alternativas de jogo. Ele precisará trabalhar nos defeitos que mostrou recentemente, como o mau desempenho em competições europeias e problemas em grandes jogos, que não conseguiu vencer.

A Roma de Spalletti foi um time ofensivo e atraente de ver jogar, mas o técnico é pragmático se for preciso. Não hesita em tirar do time jogadores talentosos que não contribuem para o time. Ao mesmo tempo, ele é um técnico inteligente e criativo para soluções e consegue recuperar jogadores. Foi com Spalletti que Totti se tornou falso nove em 2007/08 e foi também com ele que Edin Dzeko teve a melhor temporada da sua vida na Roma.

É de se esperar um time que se molde mais ao adversário e tenha mudanças de jogadores com mais frequência. A Inter de Spalletti deve rodar o elenco até achar os jogadores que serão confiáveis. Um problema em potencial é que o técnico costuma ter relacionamentos conturbados e precisa de apoio da diretoria. Em um clube tão impulsivo como foi a Inter dos últimos anos, isso pode ser um problema.

Talvez, porém, isso não seja um problema se ele conseguir em campo o desempenho e os resultados que tornem o time mais competitivo. Especialmente olhando para a Juventus, o grande modelo de clube italiano atualmente. Dinheiro não falta à Inter. Para ter sucesso, o clube precisa ter mais paciência com o técnico e principalmente mais competência na hora de montar o elenco. Talvez Spalletti ajude nisso.