A temporada de despedida de Francesco Totti foi frustrante pelas poucas presenças do eterno capitão romanista em campo. Totti jogou apenas 877 minutos, tempo inferior a dez jogos completos, e a responsabilidade, evidentemente, é Luciano Spalletti, o homem que escolhe os jogadores que vão entrar em campo. A situação fez com que boa parte da torcida ficasse insatisfeita com o ex-técnico da Roma.

LEIA MAIS: Sob aplausos e lágrimas, Totti se despediu da Roma: um domingo terno, eterno

Spalletti, que escalou Totti como titular apenas seis vezes e lhe deu mais 22 partidas como reserva, foi anunciado como novo treinador da Internazionale e afirmou que poderia ter lidado melhor com a situação. “Na Roma, eu me tornei o homem que dividia mais do que o homem que unia”, afirmou. “Eu percebi um contraste, com o amor pelo jogador mais importante prevalecendo sobre o apoio e carinho que teríamos que ter pela equipe”.

O treinador de 58 anos admitiu que foi incapaz de conciliar as duas coisas. “E, ao não conseguir fazer isso, eu não fiz meu trabalho direito. Essas duas coisas precisariam andar paralelamente. Eu estava com problemas porque ouvia os rumores dos torcedores. Eu os ouvia nas ruas, em bares, no trânsito. Muitos eram a favor, mas havia uma linha de demarcação. Eles precisam estar unidos, todos, eu desejo isso para a Roma até mesmo agora”.

Spalletti substitui Stefano Pioli, no comando da Inter de Milão, depois de levar a Roma a um terceiro e um segundo lugar no Campeonato Italiano. O novo chefe romanista será Eusebio Di Francesco, ex-treinador do Sassuolo.