A Copa do Mundo de 2018 rendeu frutos para a Inglaterra. O time chegou à semifinal, seu melhor resultado desde a Copa do Mundo de 1990, igualando o que fez aquele time com Paul Gascoigne e Gary Lineker. Antes disso, o melhor resultado é só a Copa de 1966, quando os ingleses levantaram a taça em casa. O técnico do time na Rússia, Gareth Southgate, ganhou a confiança dos dirigentes e renovou o seu contrato até 2022, para comandar, se tudo der certo para a seleção dos Três Leões, o time no Catar, em 2022.

Antigo técnico do time sub-21, Southgate foi alçado a treinador da seleção principal primeiro como interino, depois do escândalo que tirou Sam Allardyce do cargo. Ele ficou ficando, foi ficando e acabou efetivado, depois de alguns bons resultados. Classificou o time para a Copa 2018 com tranquilidade e, no Mundial, avançou fase a fase, ainda que sem encantar, mas conseguindo vencer. Conseguiu até uma vitória nos pênaltis contra a Colômbia, colocando fim a um trauma do time – nunca tinham conseguido vencer esse tipo de disputa em uma Copa do Mundo antes.

O salário do treinador foi aumentado para 3 milhões de libras por ano, segundo a BBC. “Eu estou satisfeito em ter a oportunidade de liderar a seleção nacional pelos próximos dois grandes torneios”, afirmou Southgate, em referência à Eurocopa 2020 e à Copa 2022. “O trabalho continua como um incrível privilégio e uma verdadeira honra. Experimentar em primeira mão como a nação unida apoiando o time neste verão [referência ao verão europeu, quando acontece a Copa] foi algo especial e será ótimo ver o quão longe este elenco jovem pode ir nos anos que virão”, disse ainda o treinador.

“Eu vim para cá como técnico do sub-21 cerca de cinco anos atrás e foi uma honra. Eu sinto que o período sob a liderança de Dan Ashworth como diretor técnico foi de muitos avanços. Foi uma honra liderar o meu país e fazer isso por outros quatro anos é extremamente empolgante”, afirmou Southgate. “O que é importante para nós é que há um plano, continuidade desde que o St. George’s Park foi construído. Eu acho que todo mundo pode sentir que há empolgação sobre o que acontece aqui. Eu estou realmente satisfeito da ponta da seleção principal, nós somos capazes de termos estabilidade”, continuou.

“Nós temos que continuar tendo resultados. Nós somos imensamente ambiciosos. No verão, nós fizemos um enorme progresso, mas nós sabemos que ainda há muita melhora a fazer”, analisou o treinador, de 48 anos. Nos próximos dois jogos, a Inglaterra tem adversários pesados. No dia 12 de outubro, enfrenta a Croácia em Rijeka, com os croatas jogando sob portões fechados como punição. Depois, viaja para a Espanha para enfrentar a Espanha, em Sevilla. Os espanhóis venceram na estreia dos dois países na Liga das Nações, em Wembley, por 2 a 1.

Lista de convocados com novidades

Além da renovação, o treinador também divulgou a lista de convocados para os jogos com Croácia e Espanha. Entre as novidades, a principal é Jadon Sancho, de 18 anos, que atua no Borussia Dortmund. Ex-jogador da base do Manchester City, foi contratado na temporada passada pelo clube aurinegro e nesta temporada começou muito bem. Titular, tem sido um dos principais criadores de jogadas do time pelo lado direito do ataque.

Sancho é um caso raro de inglês convocado e que atua fora do país. Todos os demais jogam no próprio país. Entre os jogadores especulados para aparecerem na lista, o atacante Daniel Sturridge, do Liverpool, ficou fora. Entre as surpresas, destaca-se Mason Mount, do Derby County – ele tem vínculo com o Chelsea, mas está emprestado ao clube dirigido por Frank Lampard. Ele é um dos convocados que atua na segunda divisão, junto com Jack Butland, do Stoke City. O treinador também incluiu James Maddison, do Leicester, na lista. O jogador tem 21 anos e tem um início de temporada excelente pelo seu clube, depois de ser contratado junto ao Norwich.

Veja a lista de convocados da Inglaterra:

Goleiros: Marcus Bettinelli (Fulham), Jack Butland (Stoke City), Alex McCarthy (Southampton), Jordan Pickford (Everton).

Defensores: Trent Alexander-Arnold (Liverpool), Joe Gomez (Liverpool), Harry Maguire (Leicester), Danny Rose (Tottenham), Luke Shaw (Manchester United), John Stones (Manchester City), James Tarkowski (Burnley), Kieran Trippier (Tottenham), Kyle Walker (Manchester City).

Meio-campistas: Ross Barkley (Chelsea), Nathaniel Chalobah (Watford), Eric Dier (Tottenham), Jordan Henderson (Liverpool), Mason Mount (Derby), Harry Winks (Tottenham).

Atacantes: Harry Kane (Tottenham), James Maddison (Leicester), Marcus Rashford (Manchester United), Jadon Sancho (Borussia Dortmund-ALE), Raheem Sterling (Manchester City), Danny Welbeck (Arsenal).