Na Inglaterra, é muito comum que os jogadores chamem o técnico de “boss” (chefe em inglês). É como o nosso “professor” por aqui, uma forma dos jogadores e funcionários do clube tratarem os treinadores com uma certa reverência e autoridade. Ole Gunnar Solskjaer contou, nesta terça-feira, que pediu para não ser chamado assim no Manchester United, seja por funcionários do clube que conhece tão bem, seja pelos próprios jogadores. Pediu que seja chamado de “Ole”, seu primeiro nome, como acontecia na sua época de jogador.

LEIA TAMBÉM: Para Lukaku, do Manchester United, PSG é um dos favoritos ao título da Champions League

“É uma questão de valores em família”, disse o técnico norueguês à United-Supporteren, um uma torcida do Manchester United na Noruega. “Que você se importa um com o outro, que apoia um ao outro e, claro, conhece um ao outro”, continuou o treinador.

“Kath [recepcionista do centro de treinamento de Carrington] foi a primeira pessoa que eu vi quando eu vim para cá. Então eu encontrei os funcionários que estão aqui desde o tempo que eu era jogador. Eles começaram a me chamar de ‘chefe’. Eu disse a eles: ‘Parem com isso. Meu nome é Ole. Me chamem de Ole’. Nós trabalhamos juntos e conhecemos um ao outro por muitos anos. Eu não quero que eles me chamem de chefe”, contou treinador interino – seu contrato vai apenas até o fim da temporada.

Com nove vitórias em 10 jogos pelo Manchester United, Solskjaer está se tornando um forte candidato a ser o técnico também na próxima temporada. O ex-jogador disse que quer revitalizar o clube não só em campo, mas também fora dele. “Nós temos que proteger os valores centrais em um clube de futebol: o relacionamento entre o técnico e os jogadores e o relacionamento entre todo mundo que trabalha em Carrington”, afirmou o treinador.

“É nisso que eu estou trabalhando. Deveria haver uma ligação entre todo mundo. Entre as categorias de base e o time principal. Eu irei garantir que nós enviemos uma mensagem para a categoria de base que há possibilidades aqui. Nós iremos trabalhar juntos. É isso que a fundação deste clube é construída”, disse ainda o Solskjaer.

Atualmente, Solskjaer é o favorito nas casas de apostas para assumir o posto de técnico do time em definitivo, estendendo o seu contrato. Ele está à frente até de Mauricio Pochettino, que era o favorito quando José Mourinho foi demitido. Outros candidatos são Zinedine Zidane, ex-Real Madrid, e Massimiliano Allegri, atualmente na Juventus.

Solskjaer ainda tem contrato com o Molde, da Noruega, e está emprestado ao United. “Eu nunca tive dúvida, porque é uma chance que você recebe uma vez na vida. Nós [sua família] nunca tivemos tempo para sentar e discutir o que fazer porque nós tivemos que decidir imediatamente”, contou Solskjaer. “Foi impossível dizer não quando o clube me ligou e me ofereceu este fantástico trabalho. Minha família e eu iremos nos ajustar conforme formos adiante. Eu fico ansioso por cada visita deles”.

A família de Solskjaer segue morando na Noruega, já que a mudança de país aconteceu no meio da temporada. Caso o ex-jogador ganhe o posto definitivamente, a situação deve mudar. Solskjaer, 45 anos, tem ido muito bem no comando do United, mas terá o seu maior desafio até aqui no próximo dia 12, quando enfrentará o Paris Saint-Germain pela Champions League. O confronto será importante para saber qual é o nível que o time pode chegar, justamente algo que se questionava no tempo de Mourinho.