Uma das qualidades de Ole Gunnar Solskjaer exaltadas por ex-jogadores e comentaristas da Inglaterra é que ele entende o Manchester United como ninguém. Exemplo disso surgiu na sua entrevista coletiva antes do importante jogo contra o Liverpool, no próximo domingo. O treinador norueguês abriu as portas do vestiário de Old Trafford para Alex Ferguson, caso queira, conversar com o time antes do clássico.

LEIA MAIS: Cantona: “Solskjaer é o filho espiritual de Alex Ferguson, como Guardiola e Cruyff”

Ele tocou no assunto porque Ferguson foi visto conversando com jogadores depois da vitória sobre o Chelsea, na última segunda-feira, pela Copa da Inglaterra. Relatos da imprensa inglesa apontam que ele mantém contato muito mais próximo com a lenda dos Red Devils do que os seus antecessores.

Questionado se adotaria os “truques mentais” de Ferguson para desestabilizar o adversário, Solskjaer respondeu: “Não. Não acho que Jürgen Klopp lerá o que eu dizer. Não vou ler o que ele disse ou o que os jogadores disseram. Mas (Ferguson) seria bem-vindo para conversar com os jogadores, se ele quisesse, porque sabemos o quanto significa para ele vencer o Liverpool. Acho que os nossos jogadores sabem o que significa para o Manchester United”. Não há, por enquanto, planos concretos para convidar Ferguson a dar uma preleção para o elenco antes do jogo de domingo.

Solskjaer informou que Lingard e Martial, que voltariam apenas em março, estão sendo considerados para encarar o Liverpool, um jogo importante para a tabela. Os Reds precisando vencer o jogo a menos em relação ao Manchester City para retomar a liderança, e o United querendo se manter em quarto lugar, dentro da zona de classificação à Champions League.

“Eu joguei alguns desses e eu conheço a magnitude que o jogo tem para os torcedores, para todos que trabalham aqui, para os funcionários. Tem havido comentários sobre como este é o ‘grande jogo’, o jogo pelo qual estamos ansiosos. É nosso trabalho concentrar e canalizar toda essa energia para o desempenho. Não é sobre emoções. Eu entendo que a emoção pode ser trazida para o jogo, mas precisamos nos manter concentrados e controlados, mas com alguma luta também”, explicou.

Um jogador que cresceu muito de rendimento com Solskjaer foi Paul Pogba. “Ele é um jogador de primeira linha, do qual eu sempre gostei, desde que eu o via como criança. Ele é campeão do mundo, um líder do vestiário e no campo também. Ele quer a bola o tempo inteiro. Minha ideia era tentar tirar o melhor das suas qualidades, pensei nele como um meia-atacante”, encerrou.