Na última semana, dois importantes campeonatos nacionais na África conheceram seus respectivos campeões. O Espérance, confirmando o favoritismo, sacramentou o tetracampeonato tunisiano consecutivo. O Recreativo do Libolo, por sua vez, sagrou-se bicampeão angolano com três rodadas de antecedência. Como os números sugerem, as duas conquistas representam supremacias consolidadas em ambos os países. No entanto, elas possuem significados completamente diferentes. O Espérance mantém uma tradição histórica, na qual agora possui o dobro de títulos do segundo maior campeão nacional. O Libolo, no entanto, segue o caminho inverso e rompe com uma hegemonia.

Mesmo passando por momentos de instabilidade, o Espérance ficou com o título tunisiano sem maiores dificuldades. De fato, em que pese a ótima temporada do Bizertin, que lutou bravamente contra um jejum de 28 anos sem ganhar a Ligue 1, não há nenhuma equipe no mesmo patamar dos “Sangue e Ouro” na Tunísia. Não se trata apenas de uma soberania nacional. O Espérance é, para muitos, a melhor equipe africana na atualidade – e favorito para conquistar o bicampeonato da Liga dos Campeões.

Trata-se de um clube ambicioso, que não se contenta apenas com resultados. Que o diga o treinador suíço Michel Ducastel, demitido na 20ª rodada por conta das fracas atuações do time, que ficou quatro jogos sem vencer – ainda que liderasse o campeonato. Nabil Maaloul, comandante da memorável tríplice coroa em 2011 (Ligue 1, Copa da Tunísia e LC), foi recontratado e ganhou oito dos nove jogos seguintes, garantindo o caneco com uma rodada de antecedência. Os dois artilheiros do campeonato, Msakni (17 gols) e N’Djeng (15 gols), são do Espérance. Juntos, marcaram mais gols que nove equipes da competição.

Em Angola, o Recreativo do Libolo parece definitivamente romper com uma tradição. Esta é apenas a quarta vez em 33 edições do Girabola que um clube fora da capital, Luanda, leva a taça. O Libolo é da província de Kwanza-Sul, que possui aproximadamente 600 mil habitantes e é conhecida pela grande atividade agrícola. De quebra, este foi o bicampeonato consecutivo da equipe, que simplesmente assegurou a conquista com três rodadas de antecedência.

Os números não mentem. O Libolo passou impressionantes 25 rodadas invicto, até perder para o Santos por 4 a 2. Não obstante, o time ainda possui o melhor ataque (48), a melhor defesa (12), o maior número de vitórias (18), o maior número de goleadas (cinco) e a maior goleada da competição, justamente na última rodada: 7 a 0 sobre o Sporting de Cabinda. A equipe é comandada por Zeca Amaral, ex-treinador da seleção angolana e que também conduziu o Libolo ao título inédito na temporada passada.

Além de “inaugurar” uma nova era no futebol angolano, acabando com a polarização de títulos dos clubes de Luanda, o Libolo sonha ainda mais alto: também quer ser protagonista a nível continental. Nesta edição da Liga dos Campeões, conseguiu eliminar o poderoso Orlando Pirates na primeira fase qualificatória, mas caiu para o Sunshine Stars (que está classificado para as semifinais) logo depois. A classificação para a fase de grupos em 2013 seria um feito e tanto.

Na próxima temporada, a tendência é que tanto a Ligue 1 quanto o Girabola ganhem um pouco mais em equilíbrio. O Espérance passará por um período de reformulação, perdendo seus dois principais jogadores (Msakni para o Lekhwiya e N’Djeng para o Sion), ainda que tenha contratado o ótimo Clottey. O Libolo, apesar de ter sobrado em todo o Campeonato Angolano, caiu muito nas rodadas finais e tornou-se um tanto previsível. De toda forma, ambos serão favoritos absolutos a mais um título nacional em 2013. Quem será capaz de quebrar a(s) hegemonia(s)?

Curtas

– Além do Espérance, o supracitado Bizertin é o outro time da Tunísia classificado para a Liga dos Campeões 2013. O CS Sfaxien disputará a Copa da Confederação Africana.

– A Fifa decidiu que os estádios de Marrakech e Agadir receberão o Mundial de Clubes de 2013, que será disputado no Marrocos. O Stade Marrakech e o Stade d’Agadir comportam pouco mais de 45 mil pessoas.

– Às vésperas de receber a CAN 2013, a África do Sul começa a demonstrar preocupação com incidentes de vandalismo nas arquibancadas locais. No último fim de semana, na vitória do Swallows sobre o Sundowns por 2 a 0, torcedores do time derrotado causaram tumulto no Dobsonville Stadium, invadindo o campo, quebrando barras metálicas e destruindo o banco de reservas. O clube será punido.

– Joseph Koto parece ter lido a última coluna e desistiu de convocar El-Hadji Diouf. Em grande fase no Leeds, o problemático meia-atacante ficou fora da convocação de Senegal para o jogo contra a Costa do Marfim. Curiosidade: 13 dos 23 jogadores convocados disputaram os últimos Jogos Olímpicos.

– Samuel Eto’o está de volta à seleção camaronesa. A intenção do novo técnico Jean-Paul Akono em fazê-lo desistir de sua “aposentadoria” foi concretizada e o atacante estará em campo na partida de volta das eliminatórias para a CAN 2013, contra Cabo Verde. O Primeiro-Ministro de Camarões, Philemon Yang, foi quem “ordenou” o seu retorno.

– Aliás, Akono não apenas radicalizou em sua última convocatória, como também parece ter parado no tempo ao convocar “medalhões” que pouco tem a agregar ao time. Pierre Wome, Mohamadou Idrissou, Pierre Webo e até Modeste Mbami, que há muito tempo estavam ausentes do ciclo da seleção, foram chamados. O jovem Fabrice Olinga, atacante de 16 anos do Málaga, é uma grata surpresa.

– As novidades não param por aí. Angbwa, Makoun e Kana-Biyik, que também haviam pedido “um tempo” da seleção, reforçam a equipe. Por outro lado, o atacante Choupo-Moting, que na ausência de Eto’o era o grande nome do ataque dos Leões Indomáveis, será desfalque neste duelo decisivo. Ele sofreu uma lesão no joelho atuando pelo seu clube, o Mainz, e passará por uma cirurgia.

– Outro retorno de grande impacto é o de Obi Mikel à seleção a Nigéria. Ele foi convocado para o duelo decisivo contra a Libéria, também pelas eliminatórias da CAN. Especula-se que esta decisão tenha sido contra a vontade do treinador Stephen Keshi, que negou qualquer mágoa com o volante do Chelsea.

– Mohamed Aboutrika, que cumpre suspensão de dois meses imposta pelo seu clube, o Al Ahly, não deve renovar seu contrato no próximo verão. Especula-se que algumas equipes do Golfo Pérsico e o Hull City, da Inglaterra, estejam interessadas no seu futebol. Ele foi convocado para os amistosos da seleção egípcia contra Congo e Tunísia, ainda neste mês.

– Quem já deixou o Ahly oficialmente foi o atacante Fábio Júnior, ex-Vasco e Madureira. O brasileiro pediu dispensa do clube, inclusive abrindo mão de benefícios, e os egípcios concordaram em liberá-lo. Sua passagem pelo Egito é considerada um fiasco. Custou caro e só marcou um gol em sete jogos.

– Pelo Campeonato Sul-Africano, o Kaizer Chiefs segue impossível: já são 16 pontos em seis jogos. A equipe venceu o Chippa United por 2 a 0 e abriu quatro pontos de diferença para o vice-líder, Pretoria University. O Orlando Pirates, derrotado pelo Bloemfontein Celtic por 1 a 0, ocupa apenas o 4º lugar.

– O Raja Casablanca manteve os 100% de aproveitamento no Campeonato Marroquino ao bater o KAC Kénitra por 4 a 2, chegando aos 9 pontos. No jogo mais atrativo da rodada, o Maghreb Fès, que recentemente perdeu seu treinador para a seleção marroquina, venceu o Wydad Casablanca por 1 a 0.

– O JSM Béjaïa perdeu a invencibilidade, mas segue líder da Ligue 1 argelina. A equipe empatou fora de casa com o CS Constantine em 2 a 2 e chegou aos 10 pontos em quatro jogos.

– O Asante Kotoko é o campeão da Supercopa de Gana. O maior vencedor do futebol local derrotou o New Edubiase na decisão por 2 a 0. Ambos os gols marcados por Nti Boakye.