Depois de 12 anos tentando, e passando bem longe, a Red Bull tem um time na Série A do Campeonato Brasileiro. A parceria com o Bragantino rendeu frutos logo na primeira temporada e, nesta quarta-feira, a equipe que passará a se chamar Red Bull Bragantino ano que vem tornou-se a primeira a garantir o acesso na Série B, com cinco rodadas de antecedência, graças à vitória por 3 a 1 sobre o Guarani, no estádio Nabi Abib Chedid.

Acabou sendo fatal para a Série B a combinação entre um clube com tradição, torcida e, principalmente, que já estava na segunda divisão com o dinheiro investido pela empresa de energéticos. A campanha foi soberana. São oito pontos de vantagem para o segundo colocado, o que encaminha também o título, e, com derrotas do América Mineiro e do CRB, 15 para o quinto colocado Paraná, que até poderia igualar a pontuação dos paulistas, mas não o número de vitórias (13 a 19).

A folha salarial do Bragantino pulou de R$ 400 mil no Campeonato Paulista, quando a Red Bull ainda comandava o Red Bull Brasil de Campinas, para aproximadamente R$ 2 milhões, rivalizando apenas com a do Coritiba. Os bichos pagos de R$ 9 mil por vitória superam os do Palmeiras. Foi um investimento na casa dos R$ 50 milhões nesta primeira temporada de parceria e os gestores prometem quatro vezes isso para o ano que vem.

As questões filosóficas por trás do processo que levou o Bragantino de volta à elite pela primeira vez desde 1998 são assunto para outra hora, mas o fato é que, com poder de investimento, o trabalho em campo foi muito bem feito. Houve continuidade da campanha no Campeonato Paulista, a melhor além dos quatro grandes, com o título de Campeão do Interior, e do comando de Antônio Carlos Zago, novamente destacando-se depois de alguns percalços na carreira como treinador.

Praticamente não houve momentos de baixa. O Bragantino iniciou a Série B com cinco vitórias nas primeiras sete rodadas e nunca passou mais do que três jogos sem ganhar – Cuiabá, Guarani e Botafogo, entre o fim de julho e o começo de agosto. Na sequência, vieram 12 rodadas com apenas uma derrota e agora uma arrancada final com três triunfos e dois empates nos últimos seis jogos da segunda divisão.

A vitória definitiva demorou para sair. Dois minutos depois de Ricardinho acertar a trave para o Guarani, Claudinho cobrou falta na área, e Ryller, em posição irregular, cabeceou às redes. O árbitro chegou a consultar a assistente, mas, apesar da efusiva reclamação dos jogadores do Bugre, confirmou o gol. Pio, de pênalti, ampliou para 2 a 0, aos 30 minutos do segundo tempo, e Pedro Naressi garantiu os três pontos com estilo. Robou a bola na intermediária, avançou até à área e concluiu com um elegante chute colocado e alto. Bady descontou para os visitantes antes do fim.

Alguns pontos serão interessantes de acompanhar na Série A. Como serão investidos os prometidos R$ 200 milhões? A Red Bull dará sequência à linha de apostar em jovens ou os mesclará com veteranos, como é mais comum no futebol brasileiro? Zago continua no comando ou será contratado um treinador mais tarimbado? Diante do baixo nível do nosso futebol, a parceria será suficiente para já colocar o clube na parte de cima da tabela?

Para saber tudo isso, precisaremos ter paciência. O certo é que o clube que subiu como Bragantino será pouco Bragantino na elite. Terá um novo nome, talvez outras mudanças importantes em sua identidade, e finalmente fará avançar (com atalhos) o projeto que a Red Bull colocou em ação lá atrás, quando fundou o Red Bull Brasil, em 2007.