Uma das imagens do título espanhol do Real Madrid foi uma perfeita representação do momento de Gareth Bale no clube. Quase todos os jogadores celebravam Zinedine Zidane, menos o galês, de braços cruzados, olhando de longe, com um sorrisinho no rosto.

Um dos jogadores mais caros e famosos do mundo, além de muito bom de bola quando está em forma, sendo praticamente reserva é uma situação que não agrada a ninguém, confirmou o meia Toni Kroos, em entrevista ao podcast Lauschangriff, segundo o Goal.

“Não tem como escapar. A situação é insatisfatória para todos. Ele certamente não foi contratado para jogar tão pouco quanto vem jogando”, disse o alemão. Bale fez 20 partidas por todas as competições nesta temporada, 14 desde o início, e entrou em algumas polêmicas, como a faixa que dizia “Gales, golfe e Madrid, nesta ordem”, mostrada na comemoração da vaga da seleção galesa à Eurocopa de 2020 – adiada a 2021 por causa da pandemia.

O Real Madrid poderia ter evitado esses problemas se sancionasse a venda de Bale ao Jiangsu Suning, da China, no começo da temporada, mas abortou a operação de última hora. “Eu acredito que ele queria sair e o clube sinalizou com sim em um primeiro momento e depois disse não. Eu não sei se ele ainda está um pouco bravo sobre isso. É um assunto difícil”, disse Kroos.

Ainda assim, o meia acredita que a questão tem sido exagerada e que não causa tantos problemas nos vestiários quanto a imprensa faz parecer. “Certamente não é tão extremo quanto fazem parecer. Tudo está ok no time. Eu o conheço há seis anos e vencemos várias coisas grandes juntos”, disse.

Primeiro jogador de € 100 milhões, Bale conquistou quatro títulos da Champions League pelo Real Madrid, quatro mundiais, duas edições de La Liga e uma Copa do Rei.

.