Moussa Sissoko havia sido um dos melhores em campo no primeiro duelo contra o Manchester City, pela Liga dos Campeões. Ao lado de Harry Winks, ajudou a trancar a cabeça de área dos Spurs e segurou a vitória por 1 a 0 em Londres. Nesta quarta-feira, porém, uma lesão sofrida ainda no primeiro tempo tirou o francês de campo. Ele precisou se angustiar no banco de reservas, vendo os companheiros se desdobrarem para conter a pressão dos Citizens, sobretudo durante o segundo tempo. Pois a euforia pela classificação ainda atingiu o volante de maneira diferente. Ele já tinha desistido da partida e seguiu direto aos vestiários quando Raheem Sterling anotou 5 a 3 no Estádio Etihad. Descobriu a reversão da marcação minutos depois, antes de voltar ao gramado para celebrar. Mais um personagem peculiar de uma noite com tantas histórias.

“Eu estava no banco quando vi o gol de Sterling. Eu estava tão atordoado que fui diretamente para o vestiário. Fiquei sozinho, não tinha ninguém me acompanhando, nenhuma tela de TV transmitindo. Na minha cabeça, fomos eliminados. Eis que um membro da comissão técnica entra no vestiário ao final do jogo e me diz: ‘Incrível, nós conseguimos!’. Então eu perguntei o que conseguimos. Naquele momento, soube que o gol havia sido anulado. Eu coloquei uma camisa, me esqueci da lesão e corri para fora do vestiário, para me juntar aos outros jogadores e não perder a comemoração de um momento histórico. Foi um choque emocional incrível”, declarou Sissoko, após a partida.

Sissoko ainda não sabe quando retorna ao time, após sofrer uma lesão muscular. Deve ser desfalque no próximo final de semana, quando o Tottenham visita o próprio Manchester City pela Premier League. No entanto, espera voltar a tempo de encarar o Ajax nas semifinais da Champions: “Eu senti meu músculo. Será difícil me recuperar para sábado, mas espero que na próxima semana eu já esteja de volta ao time”.

Peça importante ao Tottenham nesta temporada, Sissoko disputou 25 partidas como titular na Premier League. Além disso, são seis jogos no 11 inicial pela Liga dos Campeões, incluindo os quatro nos mata-matas. Na volta contra o Borussia Dortmund, o francês deu a assistência para Harry Kane garantir a vitória por 1 a 0, que consumou a classificação.