O Hajduk Split havia perdido o jogo de ida para o Everton, na Inglaterra, por 2 a 0, e tinha uma missão complicada em mãos. No final do primeiro tempo, Josip Radosevic acertou um chutaço de fora da área e enviou os croatas aos vestiários com alguma esperança de conseguirem concretizar uma zebra, mas o cronômetro mal havia marcado 10 segundos da etapa final quando Sigurdsson tirou um coelho da cartola e enterrou as chances dos donos da casa. O empate por 1 a 1 colocou os ingleses na fase de grupos da Liga Europa.

LEIA MAIS: Rooney se aposenta da seleção inglesa e prioriza quem mais ama: o Everton

Sigurdsson foi a contratação mais cara do mercado do Everton (até agora). O Swansea pediu £ 45 milhões para liberá-lo. Um valor que parece excessivo por um jogador de 27 anos que basicamente já mostrou o que pode fazer: muito bom na bola parada, cria algumas chances, mas nunca se provou um jogador de primeiro nível do futebol europeu e, na sua outra passagem por um clube inglês com mais ambição – o Tottenham -, não foi tão bem quanto se esperava.

O islandês tem o desafio de provar que os críticos estão errados e começou bem. Estreou com 29 minutos contra o Manchester City, na última segunda-feira, e nesta quinta, titular pela primeira vez, decidiu para o Everton quando a partida poderia começar a se complicar. O Hajduk Split havia feito um primeiro tempo equilibrado, criando boas oportunidades, e abriu o placar com esta bomba cheia de efeito de Radosevic, ex-jogador do Napoli.

 

Não deu tempo nem de aproveitar. Na saída do segundo tempo, a pressão que Ronald Koeman exige de seus homens de frente funcionou. Mas Sigurdsson roubou a bola ainda na intermediária, próximo da lateral direita e, antes de ela tocar no chão, emendou direto para o gol, e pegou o coitado do goleiro Dante Stipica desprevenido.

 

Foi um balde de água fria nas pretensões do Hajduk Split, que agora precisava marcar três vezes no segundo tempo para eliminar o Everton. Um fiapo de esperança poderia ter caído do céu, aos 19 minutos, mas Pickford defendeu o pênalti de Said, que forçou a barra para bater e… perdeu.

 

Esta é a sexta vez que o Everton disputa a Liga Europa (ou Copa da Uefa) desde o fim do banimento a clubes ingleses em competições europeias. Nunca foi além das oitavas de final, mas, duas vezes, parou nas fases preliminares. Desta vez, classificou-se sem muitos problemas e, com uma vaga na Champions League em jogo, pinta como um dos candidatos ao título.