Pela primeira vez em muito tempo, o Milan tem uma chance real de conseguir vaga na Champions League. É o quarto colocado da Serie A, a quatro pontos da Roma e a seis da Lazio, que tem um jogo a menos. Fruto do trabalho de Genaro Gattuso, o primeiro treinador que (provavelmente) emplacará duas temporadas inteiras em sequência no banco de reservas rossonero desde Massimiliano Allegri. Para Andrey Shevchenko, um dos seus mais brilhantes ex-companheiros, Gattuso é responsável por devolver o entusiasmo aos torcedores do Milan. 

LEIA MAIS: Pirlo e Gerrard mostraram que classe não se perde em amistoso entre lendas de Liverpool e Milan

Atualmente treinador da Ucrânia, Shevchenko conversou com o jornal Tuttosport, depois do empate por 0 a 0 com Portugal, na última sexta-feira. “Ele é tão bem preparado e faz anos que o Milan não tem uma chance realística de buscar uma vaga na Champions League. Gattuso merece muito crédito, assim como os diretores Leonardo e Paolo Maldini”, afirmou o atacante.

Um assunto que Shevchenko conhece bastante é colocar a bola nas redes. Em janeiro, o Milan contratou Krzystof Piatek para fazer exatamente isso e ele tem entregado o que se espera até agora, com oito gols em dez partidas, o que motivou comparações entre o polonês e o ucraniano. “Eu vi as comparações, mas temos características muito diferentes e ele terá o seu próprio caminho. Eu gosto do olho que ele tem para o gol. Ele consegue marcar de várias maneiras”, disse. 

E como tem sido a vida de treinador? Shevchenko treina a Ucrânia desde 2016. “A principal dificuldade é fazer as pessoas entenderem que agora sou treinador e não mais um jogador. Eu me sinto um tático, 100%. Para começar, eu tenho mais pensamentos do que horas de sono”, brincou. 

Shevchenko marcou 175 gols em 322 partidas com a camisa do Milan.