Sevilla massacrou, mas foi limitado a 1 x 0 pela excelente atuação do novo goleiro do Rennes

O Sevilla teve uma grande produção ofensiva, por terra e pelo ar, mas diversas vezes parou nas mãos de Alfred Gomis, substituto de Edouard Mendy, vendido ao Chelsea, e derrotou o Rennes por apenas 1 a 0, na segunda rodada da fase de grupos da Champions League.

Era para ter sido bem mais. Os espanhóis praticamente não foram ameaçados pelo geralmente competente contra-ataque do Rennes, tiveram 65% de posse de bola e finalizaram 23 vezes. Muitas situações claras mandadas para fora, e dois desses chutes bateram na travessão. Um deles, graças a uma das nove defesas de Gomis.

O goleiro de 27 anos, formado pelo Torino, rodou a Itália em empréstimos até ser contratado pela Spal, em 2018. Após uma temporada, o senegalês chegou à França para defender o Dijon, mas sua campanha foi encerrada em fevereiro por uma séria lesão nos ligamentos do joelho. Cinco dias depois de vender Mendy ao Chelsea, o Rennes usou parte do dinheiro para contratá-lo como reposição.

E que partida ele teve. A primeira defesa foi meio nervosa, um míssil reto, seco e muito forte de Navas de fora da área que ele bloqueou com o peito. Aos seis minutos, Ocampos cruzou da direita para Munir, na segunda trave, emendar um lindo chute de primeira, desviado ao travessão pela ponta dos seus dedos. Depois, saiu muito bem do gol para abafar o leve desvio de cabeça de Diego Carlos à queima-roupa.

Ainda no primeiro tempo, Acuña recebeu o lançamento pela esquerda e acionou Ocampos, que dominou a bola, invadiu a área e tentou chutar entre as pernas de Gomis, sem sucesso. Koundé arriscou da intermediária e viu o goleirão espalmar por cima do travessão. Gerou mais um escanteio e, desta vez, o herói foi Benjamin Bourigeaud, que conseguiu cortar o desvio de Koundé em cima da linha.

No segundo tempo, o Sevilla finalmente quebrou o impasse com uma linda jogada. Acuña matou o lançamento no peito e, bem aberto pela lateral esquerda, deu o cruzamento perfeito para De Jong chegar batendo de chapa. Gomis evitou o segundo, uma firme cabeçada de De Jong.

O Rennes enfim conseguiu responder com uma cobrança de falta de muito longe de Clément Grenier, bem defendida por Bono. Foi uma das duas finalizações do Rennes. A outra, ainda no primeiro tempo, foi mais parecida com um recuo para o goleiro do Sevilla.

Incapaz de aceitar que venceria por apenas 1 a 0, dada tamanha superioridade, o Sevilla seguiu tentando marcar o segundo. Munir mandou por cima de fora da área, e Jordán acertou o travessão, também à meia distância. Nos acréscimos, Youssef En-Nesyri recebeu pela esquerda, entrou na área e tentou bater entre a trave e o goleiro.

Com a perna, Gomis negou o Sevilla pela última vez.

.

.