Não era de se esperar que o encontro entre Wolverhampton e Sevilla fosse um festival de gols. São dois bons times, equilibrados, com fortes defesas. Foram comedidos nas ligas nacionais e essa perspectiva se confirmou em um jogo tenso, de poucas oportunidades de gol e que acabou premiando o time mais ambicioso. Com um gol de Lucas Ocampos, aos 43 minutos do segundo tempo, o rei da Liga Europa avançou às semifinais com a vitória por 1 a 0.

Foi merecido, especialmente pela maneira como o Wolverhampton abdicou do jogo, ou simplesmente não conseguiu jogar, no segundo tempo. Não deu um chute a gol e assistiu ao Sevilla ficar com a bola durante 74% do tempo, sem fazer muita força para mudar o panorama a seu favor. Parecia contar os minutos para que a prorrogação chegasse, o que também pode ser explicado pelo cansaço de uma longuíssima temporada dos Lobos que começou, com a Liga Europa, em meados de julho do ano passado.

Ninguém se destacou em especial no time inglês, mas Adama Traoré foi quem proporcionou a melhor chance. Aos 10 minutos, ele deu uma daquelas arrancadas maravilhosas em que ninguém consegue alcançá-lo. Saiu do campo de defesa e parou apenas dentro da área, quando levou uma falta de Diego Carlos. Raúl Jiménez foi escalado para cobrar o pênalti. Esperou que o goleiro Bono caísse para chutar no outro canto. O goleiro Bono não caiu, e Jiménez acabou batendo muito mal.

Aliviado com o erro de Jiménez, o Sevilla começou o seu domínio que duraria até o fim, mas sofreu um pouco mais para criar chances claras de gol no primeiro tempo. Rui Patrício caiu bem no canto esquerdo para defender um chute rasteiro de fora da área de Suso, Youssef En-Nesyri apareceu em boa situação pela esquerda, mas bateu torto, e Ocampos mandou uma bola cheia de veneno da entrada da área. Faltou apenas um pouco mais de efeito.

O Wolverhampton teve pelo menos algumas escapadas no primeiro. No segundo, nem isso. Foi completamente dominado. Joan Jordán perdeu uma chance boa, En-Nesyri parou em Rui Patrício e Jules Koundé, quase na boca do gol, cabeceou o cruzamento de Suso por cima do travessão. Aos 31 minutos, Éver Banega pegou bem uma falta na entrada da área, e Partício espalmou para fora.

Quando a prorrogação parecia inevitável, o Sevilla encontrou o seu gol. Lucas Ocampos tem feito uma temporada de afirmação e chegou a 17 gols quando desviou de cabeça o cruzamento de Banega direto às redes do Wolverhampton.

E longa vida ao rei: pentacampeão e maior vencedor da Liga Europa (e Copa da Uefa), o Sevilla segue vivo na competição e enfrentará o Manchester United por vaga em sua sexta decisão.

.

.

.