O Liverpool tem uma missão quase impossível nesta terça-feira. Perdeu do Barcelona, por 3 a 0, no jogo de ida, e precisa pelo menos devolver o mesmo placar para levar a semifinal da Champions League à prorrogação. Isso se conseguir parar Lionel Messi. Para piorar, Mohamed Salah e Roberto Firmino estão fora da partida. Mas o bom de ser um dos clubes mais vitoriosos do futebol europeu é ter em sua história uma série de noites mágicas em Anfield das quais pode tirar inspiração para buscar o milagre que precisa. Selecionamos sete, número da camisa de Kevin Keegan e Kenny Dalglish.

1965 – Liverpool 3 x 0 Inter de Milão

Primeiro, subiu o time do Liverpool. Em seguida, Gerry Byrne, que havia quebrado a clavícula antes de dar assistência para o gol do título da primeira Copa da Inglaterra da história do clube, que ele carregava para mostrar à torcida. O barulho no jogo de ida da semifinal era de outro mundo. Fazia a terra tremer, a ponto de ter influenciado a experiente Internazionale de Helenio Herrera, então atual campeã europeia, que havia subido primeiro ao gramado de Anfield, a convite de Bill Shankly. Roger Hunt, Ian Callaghan e Ian St. John fizeram os gols da vitória por 3 a 1. Sandro Mazzola marcou o único dos italianos. No jogo de volta, porém, a Inter venceu por 3 a 0 e foi à final contra o Benfica.

1976 – Liverpool 3 x 2 Club Brugge

Bill Shankly havia ido embora, e as rédeas estavam nas mãos de Bob Paisley. A primeira temporada terminara sem títulos importantes, mas a segunda serviria para confirmar o antigo fisioterapeuta como técnico principal do Liverpool. Os Reds chegaram à decisão da Copa da Uefa, em busca do segundo título da competição em quatro anos. A partida era disputada em duas mãos. A primeira começou mal: Raoul Lambert e Julien Cools abriram 2 a 0, ainda no começo da etapa inicial. Mas Anfield empurrou o time a uma incrível virada, em um intervalo de sete minutos, com gols de Ray Kennedy, Jimmy Case e Kevin Keegan. Em Brugge, o empate por 1 a 1 garantiria o caneco aos ingleses.

1977 – Liverpool 3 x 1 Saint-Étienne

“Foi o único jogo europeu em que fiquei distraído pelo público”, contou Phil Neal, que disputou 650 partidas pelo Liverpool durante os anos em que o clube dominou a Europa. O Saint-Étienne era um time muito forte, que havia sido vice-campeão europeu na edição anterior, perdendo para o Bayern de Munique. Dominique Bathenay deu a vantagem de 1 a 0 para os franceses, no jogo de ida das quartas de final. Em Anfield, o ônibus do Liverpool teve que sair mais cedo do que o normal porque as ruas estavam lotadas de torcedores. Os portões foram fechados horas antes do pontapé inicial. A atmosfera era incrível, e Keegan, em sua última temporada pelos Reds, rapidamente abriu o placar. Mas Bathenay devolveu a dianteira ao Saint-Étienne, no começo do segundo tempo. Kennedy fez o segundo, mas ainda faltava um gol. Eis que David Fairclough, o Super-Substituto que havia entrado na metade da etapa no lugar de Toshack, buscou o lançamento de Kennedy, matou no peito e tocou na saída do goleiro, diante da Kop, colocando o Liverpool na semifinal. E o barulho foi estrondoso até bem depois do apito final.

.

1991 – Liverpool 3 x 0 Auxerre

Não foi um duelo tão importante quanto os anteriores, ou os próximos. A campanha terminou nas quartas de final da Copa da Uefa, com derrota para o Genoa. Mas aquela foi a primeira campanha europeia do Liverpool depois da punição por Heysel e também a única vez que o clube venceu uma eliminatória de duas mãos no futebol continental depois de perder o jogo de ida por pelo menos dois gols de diferença – no caso, 2 a 0. O treinador era Graeme Souness, e a fase não era boa, ainda na esteira da saída abrupta de Kenny Dalglish e do desastre de Hillsborough. A confiança era tão baixa que apenas 23 mil pessoas foram a Anfield, embora a Kop estivesse cheia, como sempre. Os que não foram perderam uma bela noite: Jan Molby, Mike Marsh e Mark Walters fizeram os gols do triunfo vermelho por 3 a 0.

2005 – Liverpool 3 x 1 Olympiakos

Dava para fazer uma lista apenas com noites marcantes daquela campanha, que terminaria com a maior reviravolta da história do futebol europeu em Istambul. A grande vitória contra a Juventus nas quartas ou o gol fantasma de Luis García diante do Chelsea nas semifinais também merecem uma menção. O jogo final da fase de grupos ganha pelos contornos dramáticos. O Liverpool precisava vencer por dois gols de diferença e perdia por 1 a 0, gol de Rivaldo, até o começo do segundo tempo, quando Florent Sinama-Pongolle empatou. Neil Mellor, que fez apenas 22 partidas pelos Reds, marcou o segundo gol dos donos da casa. A quatro minutos do fim, Steven Gerrard pintou uma das suas obras de arte e manteve o Liverpool na disputa da Champions League.

2009 – Liverpool 4 x 0 Real Madrid

Aquele era o melhor time da passagem de Rafa Benítez. Tinha Jamie Carragher e Steven Gerrard em boa fase, Xabi Alonso e Javier Mascherano e um imparável Fernando Torres. Pergunte a Fabio Cannavaro, zagueiro do Real Madrid naquela noite, em um time que ainda contava com Pepe, Sergio Ramos, Sneijder, Raúl, Robben e Higuaín. O Real Madrid havia perdido a ida das oitavas de final no Bernabéu por 1 a 0 e foi demolido em Anfield. Torres, Gerrard, duas vezes, e Andrea Dossena construíram a goleada por 4 a 0. A campanha pararia na fase seguinte, diante do Chelsea.

2016 – Liverpool 4 x 3 Borussia Dortmund

A primeira temporada de Jürgen Klopp no comando do Liverpool. Não havia muita coisa para fazer na Premier League e a final da Copa da Liga Inglesa fora perdida para o Manchester City. A Liga Europa era a chance de conquistar um título e jogar a Champions League na próxima temporada. O jogo de ida das quartas de final, na Alemanha, contra o ex-clube de Klopp, terminou empatado por 1 a 1. O Borussia Dortmund começou com tudo em Anfield, abrindo 2 a 0, com gols de Mkhitaryan e Aubameyang. Origi descontou, no início do segundo tempo, mas Marco Reus fez 3 a 1 para os alemães. O Liverpool precisava de três gols em pouco mais de meia hora. E não é que conseguiu? Primeiro, Coutinho. Segundo, Sakho. E, aos 45 minutos da etapa final, Dejan Lovren colocou os Reds nas semifinais. Eles ainda venceram o Villarreal antes de perder a decisão para o Sevilla.