ItáliaSerie A

Crise sem fim: dono do Parma é preso por lavagem de dinheiro e pode adiar falência

Não bastasse a calamidade que o Parma vive, sua situação à beira do abismo se arrasta. O clube passaria por um dia decisivo nesta quinta, quando a falência provavelmente seria declarada. Passaria. Porque, como desgraça pouca é bobagem, os gialloblù enfrentam agora um novo problema: o presidente Giampietro Manenti foi preso. O Ministério Público identificou a participação do empresário em um esquema de lavagem de dinheiro. Além do dirigente, outras 21 pessoas acabaram na cadeia. Por conta disso, a reunião para definir a falência pode ser adiada.

LEIA MAIS: Alessandro Lucarelli, o filho de sindicalista que se tornou a alma do arruinado Parma

Manenti teria feito uso de cartões de crédito roubados ou clonados. A fraude teria gerado cerca de € 4,5 milhões. Os promotores afirmam que Manenti poderia ter disfarçado o dinheiro ilegal como receita de patrocínios ou compra de equipamentos. No entanto, o dinheiro não passou pelas contas do Parma, com a fraude descoberta antes que as transações se completassem.

Durante as últimas semanas, a principal reclamação do elenco do Parma se deu contra a falta de compromisso de Manenti. O presidente, que comprou o clube por € 1 em fevereiro, não pagou os salários atrasados dos funcionários, ainda que prometesse o dinheiro – em suspeitas que seria justamente vindo do esquema de lavagem de dinheiro. Durante a compra dos gialloblù, o empresário apresentou garantias financeiras de sua empresa bastante inferiores às que prometia. Também se reuniu com o prefeito de Parma nas últimas semanas, sem chegar a um acordo para salvar o time, sendo hostilizado pelos torcedores após o encontro.

VEJA TAMBÉM: Clubes da Serie A precisaram fazer vaquinha para que o Parma consiga voltar a campo

No início do mês, os outros clubes da Serie A emprestaram € 5 milhões ao Parma, para que o clube possa terminar a temporada. Mesmo assim, os dois jogos do time pela liga acabaram cancelados, por conta das pendências. Nos últimos dias, também surgiu a possibilidade de outro empresário comprar os gialloblù. Ele teria oferecido € 500 mil, mas Manenti só aceitaria vender os seus direitos sobre o clube por € 5 milhões. Alessandro Proto é empresário do ramo imobiliário e financeiro, mas cumpre prisão domiciliar por manipular o mercado com notícias falsas.

Enquanto a confusão se arrasta, os funcionários do Parma não recebem os seus salários há oito meses e o clube acumula € 96 milhões em dívidas. Talvez, Manenti até pudesse salvar a instituição. Mas com o dinheiro fraudulento, que também tornaria os gialloblù parte de sua máquina corrupta. Algo que, aliás, não seria novidade para o próprio clube, falido pela primeira vez em 2004, em meio ao escândalo que quebrou a Parmalat. Enquanto isso, as autoridades políticas italianas e os dirigentes lavam as mãos, em meio a um ciclo de problemas que se repete e que afunda não só o futebol local, mas a própria economia.

Para quem quiser se interar mais sobre o assunto, vale conferir o texto do nosso colunista Nelson Oliveira, no ótimo Quattro Tratti. A primeira parte do dossiê sobre a falência dos clubes italianos aponta as razões para um problema tão profundo, revelando que quase dois terços dos participantes da primeira divisão quebraram ao longo dos últimos 30 anos.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo