A Serie A anunciou nesta sexta-feira (27) punição ao Brescia com o fechamento de uma de suas arquibancadas por uma partida depois de insultos racistas contra Miralem Pjanic, da Juventus, na partida da última terça-feira (24). A decisão atraiu críticas de torcedores pelo que entendem se tratar de um caso de dois pesos e duas medidas, com episódios de racismo contra jogadores negros impunes neste início de temporada.

Após a vitória da Juventus sobre o Brescia, Pjanic foi alvo de gritos de “zingaro de m****” – “zingaro” é um termo potencialmente pejorativo em italiano para se referir a ciganos. Ainda que a discriminação limite a quantidade de pessoas que se declaram ciganas, elas são a minoria mais numerosa na Bósnia, país do jogador da Juventus.

Em relatório divulgado na sexta-feira, a Serie A anunciou que, como punição, o Brescia precisaria jogar uma partida com os portões fechados na Curva Nord de seu estádio – foram de lá que vieram os insultos. Entretanto, a punição está suspensa por um ano para o caso de os torcedores se envolverem em mais casos de racismo, o que supostamente aumentaria a pena.

A decisão foi mal recebida por causa da falta de punição às torcidas de Cagliari, Verona e Atalanta, que dirigiram insultos racistas contra Lukaku, Kessié e Dalbert em rodadas anteriores nesta temporada.

No relatório descrevendo a punição ao Brescia, a Serie A explica que a sanção, decidida sem mesmo uma investigação, foi aplicada porque “90% da Curva Nord” estava insultando Pjanic. Nas investigações dos incidentes em Cagliari e Verona, os relatórios apontavam que os insultos racistas foram feitos por poucos indivíduos e que isso não era o bastante para os clubes serem penalizados.

Na decisão de punição ao Brescia, não ficou claro qual o limite para que uma ofensa discriminatória seja considerada passível de punição. Seja lá qual for, nos casos contra os jogadores de Inter, Milan e Fiorentina, ele não foi atingido.

Se a Serie A não faz nada, alguns clubes decidiram tomar a dianteira. O Milan anunciou uma força-tarefa interna contra o racismo, com atividades de conscientização e monitoramento de comportamentos racistas. Já a Roma, nesta semana, anunciou a expulsão de um torcedor pelo resto da vida dos jogos do clube, devido a ofensas feitas a Juan Jesus no Instagram.