Sem vencer há cinco jogos, City de Guardiola sente a dificuldade da Premier League

Empate com o Southampton em casa mantém o time na liderança, empatado com Arsenal e Liverpool

Conquistar ligas nacionais é uma especialidade de Pep Guardiola. Só em uma das temporadas que disputou o técnico não ficou com a taça da liga que disputou: em 2011/12, quando o Real Madrid de José Mourinho ficou com esta conquista. Em 2016/17, o técnico vive a Premier League pela primeira vez e sentiu mais uma vez a dificuldade da competição. Ficou no empate por 1 a 1 com o Southampton em casa, neste domingo, e chegou a cinco jogos sem vencer, contando todas as competições. O time, porém, permanece líder, mas sem folga.

LEIA TAMBÉM: A Premier League é mais intensa que as outras grandes ligas? Guardiola acha que não

Guardiola, mais uma vez, usou o sistema com três defensores, sendo um deles o lateral esquerdo Kolarov. Algo, aliás, muito comum nos seus times. Que o digam Daniel Alves, Abidal e Alaba. Sterling e Sané foram os alas, por assim dizer. A ideia, claro, era dominar completamente o meio-campo e amassar o Southampton na defesa. O problema é que não funcionou tão bem assim.

O jogo deste domingo teve elementos muito parecidos com o empate com o Everton. O City foi dominante no seu estilo de jogo, com posse de bola e presença no campo ofensivo. Na posse de bola, o City teve 64,9% contra 35,1% do Southampton. E finalizações, 14 contra seis. O problema é que os Saints pareceram bem posicionados. E a dificuldade foi grande.

Fernandinho foi possivelmente o melhor jogador em campo pelo Manchester City, dando qualidade à saída de bola e fazendo a transição das jogadas entre defesa e ataque. O problema é que o time sofria mesmo assim. Chegou a ter um gol anulado de Stones, mal anulado, aliás.

O Southampton saiu na frente no placar com um gol aos 27 minutos. Nathan Redmond aproveitou um recuo errado de John Stones para marcar. Stones, uma contratação pedida por Guardiola, falhando em jogo do City – o que já tinha acontecido com Bravo antes, mais recentemente no jogo contra o Barcelona na Champions League. Algo que muitos torcedores colocarão na conta do técnico.

O empate veio no segundo tempo com o atacante nigeriano Iheanacho. O City tomou a bola no meio de campo e Fernandinho fez um lançamento espetacular para Sané no lado esquerdo. O alemão cruzou rasteiro para o atacante marcar, aos 10 minutos da etapa final. Tinha tudo para vir a virada, mas não veio. O City, mesmo melhor na partida, parou na boa atuação do Southampton, defensivamente.

Guardiola coça a cabeça no Manchester City (AP Photo/Rui Vieira)
Guardiola coça a cabeça no Manchester City (AP Photo/Rui Vieira)

Tanto Stones quanto Bravo são excelentes jogadores, que fazem parte de uma transição de estilo do Manchester City. Mesmo assim, a pressão começa a ficar grande para que o time jogue mais e, principalmente, consiga os resultados. A derrota para o Barcelona era relativamente esperada – ainda que não por 4 a 0 -, mas os tropeços na Premier League incomodam.

Guardiola não vê a Premier League ser mais intensa que La Liga e Bundesliga, outras ligas nacionais que já trabalhou. Mesmo assim, sente a dificuldade neste começo de trabalho no Manchester City, depois de um início espetacular com 10 vitórias consecutivas, contando todas as competições. Só que desde então, o time não vence.

A última vitória da série foi no dia 24 de setembro, contra o Swansea, pela Premier League. Desde então, teve empate com o Celtic, derrota para o Tottenham, empate com o Everton, derrota para o Barcelona e agora mais um empate com o Southampton. O próximo jogo do time é na quata-feira, pela Copa da Liga, contra o Manchester United. Os dois times devem rodar o elenco para a partida, já que é uma competição menos importante.

No próximo fim de semana tem o jogo com o West Bromwich, fora de casa. E a pressão já será mais forte para que venha uma vitória.