O Flamengo disputou sua quarta partida em duas semanas com o time titular em 2020 e venceu todas elas, desta vez sem sustos, como no meio de semana contra o Fluminense, em um ensolarado Mané Garrincha para conquistar a Supercopa do Brasil com um tranquilo 3 a 0 sobre o Athletico Paranaense.

O duelo entre os campeões do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil, disputado no começo da década de noventa, retornou ao calendário do futebol brasileiro nesta temporada e apresentou um bom jogo, embora a superioridade do Flamengo tenha sido visível.

O Athletico Paranaense, que eliminou o Flamengo rumo ao título da Copa do Brasil ano passado, começa um novo trabalho com Dorival Júnior e perdeu jogadores importantes, como Léo Pereira, Bruno Guimarães, Marco Ruben e Marcelo Cirino e ainda busca reposições.

Enquanto isso, o Flamengo apenas se fortaleceu, com a manutenção das principais peças, a compra de Gabigol e as chegadas de Michael, Pedro, Gustavo Henrique, Pedro Rocha e Thiago Maia, além de Léo Pereira, que saiu justamente do Furacão para substituir Pablo Marí, negociado com o Arsenal.

Essa diferença entre os momentos ficou clara desde o início e logo aos três minutos Gabigol passou para Willian Arão, por trás da defesa. O cruzamento do volante foi desviado em direção ao gol o que obrigou Santos a trabalhar.

O Flamengo usou sua qualidade para aproveitar duas bobeadas da defesa do Furacão e abrir 2 a 0 por volta da marca de meia hora. Aos 15, Gabigol cruzou da direita e Bruno Henrique se projetou entre defensores adversários para desviar de cabeça.

Depois, Filipe Luis cruzou da esquerda e Márcio Azevedo tentou atrasar de peito para o goleiro Santos, mas tudo que fez foi amortecer a bola para que Gabigol interceptasse, passasse pelo goleiro e completasse ao gol vazio.

O Athletico Paranaense bem que tentou ir ao intervalo com um prejuízo menor, com Marquinhos Gabriel cobrando falta perigosa e depois obrigando Diego Alves a fazer uma boa defesa em um chute cruzado. Erick quase desviou com sucesso o chute rasteiro de Rony, nos minutos finais da etapa inicial.

No calor de Brasília, o jogo seguiu em um ritmo mais lento no segundo tempo, e o Flamengo quase teve uma ótima chance de ampliar, aos oito minutos, mas Filipe Luís recebeu a falta, segundo o assistente de vídeo, a milímetros da grande área.

E a grande armadilha deste Flamengo é que, com o placar aberto e o adversário avançado para tentar voltar ao jogo, ele se prepara para o golpe fatal, que saiu aos 23 minutos, quando o lateral esquerdo mandou para a frente, Bruno Henrique ganhou a corrida e, diante de Santos, tentou rolar para Gabigol. O goleiro desviou, mas Arrascaeta apareceu na região da marca do pênalti para conferir no rebote.

O Athletico Paranaense ainda colocou uma bola no travessão com Bissoli, mas não conseguiu sequer um gol de honra antes de o Flamengo comemorar seu terceiro troféu sob o comando de Jorge Jesus.

.

.

.

.