A partida entre Shanghai Shenhua e Tianjin Quanjin pelo Campeonato Chinês está dando pano para manga até agora, mesmo que ela tenha acontecido no sábado. Além da cobrança de pênalti que Alexandre Pato mandou a bola na lua, teve um lance envolvendo seu companheiro de time Axel Witsel e Qin Sheng, do Shenhua, que ainda está rendendo bastante. O defensor deu um pisão proposital e mega violento no ex-jogador do Zenit, o que, na hora, o fez receber um cartão vermelho. Mas parece que até o presidente do Shenhua achou pouco ele só ter sido expulso pela atitude que teve, e suas punições irão além de uma simples suspensão.

VEJA MAIS: Pato bate pênalti na lua e a cara que Cannavaro faz depois é impagável

Qin Sheng poderá ficar até sem receber salário pelo resto da temporada. É isso mesmo que você leu. Wu Xiaohui, presidente do Shanghai, achou o incidente tão grave e desnecessário, que está considerando essa possibilidade e já avisou o jogador. O clube anunciou que o jogador terá que pagar uma multa de ¥ 300 mil (cerca de R$ 135 mil) pelo que fez, e terá que treinar com os reservas até, pelo menos, a campanha do Shenhua neste Campeonato Chinês terminar. E olha que a temporada começou agora.

“O comportamento extremo e irracional de Qin Sheng manchou a imagem do clube, do futebol de Shanghai e até mesmo do futebol chinês. Todos os esforços feitos por outros têm ido por água abaixo por causa dele, de sua atitude. Quando ele recebeu um cartão amarelo em um jogo da pré-temporada e antes da partida contra o Tianjin Quanjian nós o advertimos sobre seu comportamento. Mas nossos repetidos avisos não adiantaram e não impediram que ele fizesse aquilo com Witsel”, disse Wu Xiaohui em entrevista. “Não acho que ele deu o pisão por causa do calor do momento”.

Com a grande repercussão do caso e as sanções por parte do clube, o jogador se manifestou pelas redes sociais e pediu desculpa pelo incidente. “A falta foi estúpida. Meu comportamento pessoal acabou afetando a equipe inteira. Quero me desculpar com os torcedores, os dirigentes do clube e a comissão técnica. Como um jogador profissional, eu não deveria ter pensado em vingança (o jogo foi truncado e houve outros lances violentos, mas menos do que o dele). Tenho que respeitar a decisão do árbitro”, escreveu.