O Volksparkstadion exibia com orgulho um dos maiores símbolos do futebol alemão. O relógio do Hamburgo ganhou ares de folclore, ao indicar os anos em que os Dinossauros continuavam na Bundesliga. Clube fundador da competição que mais tempo permaneceu na primeira divisão, o HSV resistia às ameaças de descenso e o cronômetro seguia somando os dias. Porém, o rebaixamento inédito em 2018 fez o relógio “zerar”. E, um ano depois, diante da permanência dos hamburgueses na segundona, a diretoria promete tirar o adereço das tribunas.

No começo desta temporada, o Hamburgo deu o seu jeitinho. Não zerou a contagem, mas a ampliou. A partir daquele momento, o relógio passou a indicar o tempo desde a fundação do clube. Não colou. E o desempenho dos Dinossauros na segundona, deixando o acesso escapar diante do péssimo final de campanha, levou a diretoria a rever algumas coisas. Os Dinossauros preferem dar um fim no adereço, instalado originalmente em 2001, com o apoio de um patrocinador da agremiação.

“Nós já tínhamos decidido no final da temporada que iríamos retirar o relógio. Queremos nos alinhar com o futuro. Não ajuda olhar constantemente pelo retrovisor”, declarou Bernd Hoffmann, diretor executivo do HSV, em entrevista ao Bild. O equipamento será desinstalado em julho, após um show que acontecerá no Volksparkstadion. A contagem original de permanência na Bundesliga durou 54 anos, 261 dias, 00 horas, 36 minutos e 02 segundos. Agora, a torcida olha no relógio para saber quando os hamburgueses recobrarão sua grandeza.