Flávio Caça-Rato não gosta de enrolação. Quando Jajá driblou o goleiro Júlio César, do América Mineiro, e enrolou para colocar a bola para dentro, aparentemente preparando o corpo para marcar de calcanhar, o CR7 brasileiro perdeu a paciência e deu uma bicuda para dentro das redes, roubando o gol do companheiro no empate do Tupi por 1 a 1, pela décima rodada do Campeonato Mineiro.

LEIA MAIS: Calados e subservientes, clubes merecem o golpe que tomaram da CBF

A atitude de Jajá, compreensivelmente, irritou os jogadores do América Mineiro, mas o jogador do Tupi pediu desculpas e alegou que parou a bola em cima da linha porque achava que estava impedido – como se alguma vez na história do futebol um jogador tenha decidido parar a bola em cima da linha em vez de fazer o gol porque estava em dúvida sobre a legalidade da sua posição.

Caça-Rato seguiu a mesma linha: disse que o companheiro não quis menosprezar ninguém e, se não acompanhasse a jogada, Jajá seria desarmado pela marcação.