Nada mudou na briga pelo título do Campeonato Holandês, na antepenúltima rodada. Fora de casa, em Tilburg, o PSV bateu no Willem II sem maiores problemas por 3 a 0 e assegurou pelo menos mais uma rodada de tensão antes do encerramento da disputa com o Ajax.

Quem acompanhou o Holandês na temporada passada deve se lembrar que esse mesmo Willem II enfiou 5 a 0 nos Boeren, manchando a faixa dos campeões. Mas se por um acaso alguém achava que a história se repetiria, a tarde desta quinta-feira foi um pouco frustrante. A começar pelo fato de que o PSV estava bem mais desconfortável e pressionado do que naquele fortuito encontro do passado.

Cedo se viu que o PSV entrou em campo com muita seriedade. Apertado em lances de perigo, manteve a calma e o placar zerado. As duas formações se encaixaram e truncaram a partida, que não foi nem um pouco atrativa até o minuto 30. Daí em diante, a equipe de Eindhoven se sobressaiu e martelou o adversário para alcançar o objetivo da rodada.

Alguém pediu um gol?

Donyell Malen, de 20 anos, que se tornou uma sensação neste ano, abriu o caminho para a vitória do PSV. Ele recebeu um bom passe na entrada da área, arrancou em velocidade e tocou na saída do goleirão Michael Woud. Atordoado, o Willem II acusou o golpe e abriu demais a defesa, o que permitiu uma nova cartada dos visitantes.

Em lance de bola parada, Michal Sadilek levantou na área, Luuk De Jong subiu para distrair o goleiro e saiu comemorando. Apesar da cara de pau do capitão, a bola sequer tocou na sua cabeça, culminando em gol legítimo de Sadilek, cobrador da falta. Ainda assim, por alguns minutos houve dúvida sobre quem havia realmente marcado o gol.

E não é como se De Jong precisasse de mais unzinho para se manter na artilharia. Autor de 27 tentos, o camisa 9 ainda tem três de vantagem sobre Dusan Tadic, do Ajax. A briga entre os dois está tão imprevisível quanto a própria disputa do título nessa edição da Eredivisie.

Resolvida a vantagem confortável do PSV, o jogo simplesmente acabou. Não, não, o árbitro Dennis Higler não apitou de maneira antecipada. É que seria mentiroso dizer que aconteceu qualquer coisa depois do terceiro gol dos Boeren, marcado por Steven Bergwijn em tabelinha digna de churrasco com Malen na área oponente. Só mesmo um lance meio bizarro em que Gastón Pereiro acertou a trave e depois o goleirão Woud.

Mas nem tudo foram boas notícias para o PSV. Restando seis minutos para o apito final, com o jogo ganho, o time de Mark Van Bommel sentiu enorme preocupação com a saída de maca do atacante Hirving Lozano. Estrela do PSV, o mexicano sentiu fortes dores no joelho e deixou a partida às lágrimas. Um desfalque desse tamanho pode desestabilizar completamente o elenco nas duas rodadas que faltam. Resta, claro, torcer para que não seja nada grave.

O Willem II, além disso, era fraco demais para mudar ou sequer diminuir o placar. Os tricolores já estão com a cabeça na final da Copa da Holanda, contra o Ajax, a ser disputada em 5 de maio. Nesse intervalo, muita coisa pode acontecer.

A Eredivisie só retorna em 12 de maio, com partidas em horário simultâneo. Sabe como é, ninguém quer que Ajax ou PSV entrem em campo sabendo exatamente o que precisam fazer, estragando o espetáculo. A previsão é de partidas muito francas e recheadas de emoção para enfim conhecermos quem vence essa temporada.

Já que os dois líderes somando 80 pontos, a decisão pode acabar sendo no saldo de gols, primeiro critério de desempate no regulamento. O Ajax leva vantagem com dez a mais que o PSV. Os Ajacieden pegam Utrecht e De Graafschap, enquanto os rapazes de Eindhoven encaram AZ e Heracles. Tudo pode acontecer.