O principal problema que atrapalha o combate ao racismo cada vez mais presente no futebol é a falta de diversidade entre as pessoas que tomam as decisões, líderes da Uefa, da Fifa ou de ligas nacionais europeias, disse Vincent Kompany, zagueiro do Anderlecht, em entrevista à Sky Sports.

Segundo ele, as autoridades do jogo não possuem entre si pessoas que realmente entendem o que sentem jogadores como Romelu Lukaku, última vítima notória do preconceito, durante a vitória da Internazionale sobre o Cagliari, no último fim de semana, e, portanto, não conseguem responder de maneira apropriada.

“Voltamos a quem deve tomar decisões sobre esse assunto, e o problema está nessas organizações”, afirmou. “O verdadeiro racismo é o fato de que nenhuma dessas instituições tem representantes que conseguem realmente entender pelo que Romelu está passando”.

“Você está lidando com pessoas e tomadores de decisão que estão dizendo como ele deveria pensar e se sentir sobre isso, enquanto você não tem nenhum tomador de decisão remotamente em contato com a experiência de vida dele”.

“Esse é o verdadeiro problema. Se você passar pelas diretorias da Uefa ou da Fifa, das ligas da Itália e da Inglaterra, há uma falta de diversidade. Se você não tiver diversidade em posições de poder, então você não pode ter as decisões certas em termos de punição. É simples assim”.

Com jogadores como Henry, Balotelli e Fàbregas, Kompany terá um jogo de despedida do Manchester City, em 11 de setembro.