Neil Lennon deve estar mesmo satisfeito em conquistar seu segundo título consecutivo como treinador do Celtic. Desde 2009 no comando dos Bhoys, o norte-irlandês vai fazendo um trabalho impressionante à frente da segunda equipe mais vencedora do país. Estabelecendo um padrão interessante de jogo, Lennon conta com um elenco modesto e tem tirado o melhor de cada atleta.

Bem verdade que o Celtic ainda está dez títulos atrás da marca do Rangers, seu arquirrival que acaba de conquistar o acesso à terceira divisão local, um ano após declarar falência e se reestruturar novamente. Mas há tempos o lado alviverde tem sido a melhor referência na Escócia.

Ao conquistar seu 44º título, o Celtic mostra aos adversários que há uma clara hegemonia no futebol escocês e que os outros concorrentes terão de trabalhar duro para tentar interromper a sequência de conquistas que está por vir. Quem poderia ameaçar esse reinado é justamente o Rangers, que ainda vai demorar pelo menos dois anos para retornar à elite.

Passeio no parque e taça garantida

Neste domingo, ao bater o Inverness no Celtic Park por 4 a 1, os Hoops de Lennon comemoraram uma excelente atuação que resultou em mais um troféu, com quatro rodadas de antecedência. Abrindo 15 pontos de vantagem para o Motherwell, as jornadas restantes parecem não reservar grandes emoções no campeonato.

A taça não poderia vir num jogo mais emblemático. Atropelando os terceiros colocados, que lutam por uma vaga europeia, o Celtic não teve dificuldades para impor sua vantagem e domínio dentro de campo. Hooper marcou duas vezes, Samaras e Ledley ajudaram a fechar os trabalhos dos mandantes. Pouco antes do apito final, Doran diminuiu para os visitantes.

Acostumados a marcar muitos gols em seus compromissos, os Bhoys alcançaram a proeza de balançar as redes adversárias em 82 oportunidades, nos 34 jogos realizados. O ataque composto por Samaras e o ótimo Hooper é o mais temido na terra da gaita de fole e tende a permanecer com esse papel.

Enquanto o Rangers luta pela sua redenção, é de se esperar que o Celtic domine sem grandes problemas o futebol escocês. E quem sabe em 2016 (se tudo der certo para os azuis) possamos ver o maior clássico do país valendo o troféu da liga.