Vermeer: ele está pintando bem

Vermeer. Qualquer um que entenda um pouco mais de história da arte, ao ouvir este sobrenome, já fará a associação com o pintor barroco holandês Johannes Vermeer. Porém, quatro séculos depois da existência de Johannes, outro Vermeer, também holandês, parece pronto para aspirar a voos mais altos em sua carreira. Só que ele não é pintor, e sim um jogador de futebol: Kenneth Vermeer, 23 anos, goleiro, que, desde a metade de 2008, vem ascendendo notavelmente. A ponto de já ter destronado da vaga de titular do gol dos Godenzonen ninguém menos do que Maarten Stekelenburg, titular da Seleção Holandesa.

O “Pequeno Menzo”

O Vermeer goleiro pode ser considerado um fruto de raiz das sempre produtivas categorias de base do Ajax. Para começo de conversa, nasceu exatamente em Amsterdã, a 10 de janeiro de 1986. Inicialmente, atuava como jogador de linha, mas logo se mudou para debaixo das três traves – algo até surpreendente, visto que se fala aqui de alguém com 1,81m e 78 kg. Mas foi já como goleiro que, em 1999, aos 13 anos, Vermeer entrou para a afamada “De Toekomst” (O Futuro), a escolinha de futebol mantida pelo Ajax.

Na De Toekomst, Vermeer mostrou, de vez, que não era um goleiro muito afeito a ficar somente debaixo dos postes. Até pela origem de jogador de linha, sempre costumou se posicionar mais adiantado na grande área – o que, aliado à sua pele negra, rendeu-lhe o apelido de “Kleine Menzo” (O Pequeno Menzo), relativo a outro goleiro negro do Ajax com tendências a participar mais ativamente da defesa, Stanley Menzo. Mas isso não significou que o goleiro tivesse vida curta no Ajax. Depois de sua chegada, foi subindo pouco a pouco pelos times de base, até que, em 2005, foi içado em definitivo para o elenco profissional, à época comandado por Ronald Koeman, como terceiro guarda-metas. Mais do que isso, foi o camisa 1 da Jong Oranje que disputou o Mundial Sub-20 daquele ano em casa, tendo sido eliminada pela Nigéria, futura vice-campeã.

De volta ao Ajax, Vermeer ainda não conseguia abrir espaço dentro do time, já que os Ajacied contavam, além do já titular Stekelenburg, com o sul-africano Hans Vonk e o romeno Lobont. Não que isso representasse o perigo de estagnação na carreira Ao contrário: se não jogava no clube, Vermeer foi convocado para a seleção holandesa que disputaria, em 2006, o Campeonato Europeu Sub-21, em Portugal. De quebra, ainda recebeu do técnico Foppe de Haan a vaga de titular. E a aposta surtiu efeito: num time que contava com um certo Klaas-Jan Huntelaar no ataque, a Holanda levou, pela primeira vez, o Europeu Sub-21. Mesmo sem ter sido dos principais expoentes daquele time (o título de melhor goleiro do torneio foi para o francês Mandanda), Vermeer já retornou ao Ajax com mais cartaz. Tanto que, em 28 de setembro de 2006, ganhou sua primeira experiência como titular, atuando na goleada de 4 a 0 do Ajax sobre o IK Start, da Noruega, no jogo de volta da primeira fase da Copa Uefa daquela temporada.

Tomando fôlego

Entretanto, seria, em muito tempo, a única partida do goleiro pela equipe. Inevitavelmente, houve perda de terreno. Tanto que, mesmo tendo sido novamente chamado para o Europeu Sub-21, disputado na própria Holanda, Kenneth ficou sem a vaga de titular, entregue a Boy Waterman (muito embora, por contusão de Waterman, ele tenha atuado nas partidas contra Portugal e Bélgica, na fase de grupos do torneio). Mesmo com o bi da categoria, era hora de Vermeer tomar fôlego antes de dar o salto definitivo na carreira. E ele veio com o empréstimo ao Willem II, onde jogaria a temporada 2007/08 da Eredivisie.

Naquela temporada, Vermeer chegou ao De Galgenwaard como titular, devido a uma contusão de Maikel Aerts, primeiro goleiro dos Tricolores. Teve uma boa sequência, mas perdeu a vaga para Aerts tão logo este recuperou-se da contusão. Além disso, Aerts era considerado um goleiro mais seguro no jogo aéreo. Porém, ainda na mesma temporada, Vermeer recuperou a titularidade, substituindo Aerts, lesionado na goleada de 4 a 1 sofrida justamente para o Ajax que emprestara o jovem, em 16 de março de 2008. Atuando em todos os jogos restantes do Willem II, Vermeer virou nome certo na lista de 18 jogadores que Foppe de Haan levaria aos Jogos Olímpicos de Pequim. Porém, o provável titular da Jong Oranje em terras chinesas seria Piet Velthuizen, titular absoluto do Vitesse e até convocado para a seleção adulta, por Marco van Basten.

Finalmente, mostrando a capacidade

Qual não foi a surpresa de imprensa e torcida quando, no dia 7 de agosto de 2008, na estreia da Holanda no torneio olímpico de futebol, contra a Nigéria, em Tianjin, Foppe de Haan optou por colocar Vermeer como titular. Mais surpreendente: embora ainda ficasse comumente adiantado na grande área, o arqueiro mostrava elasticidade e agilidade bastante afiadas, o que resultava em defesas, muitas vezes, importantes para manter a Laranja viva em seu grupo. A campanha acabou parando nas quartas-de-final, diante da futura campeã Argentina, mas o Ajax sabia que Vermeer estava pronto para voltar. E o trouxe de volta à Amsterdam Arena para a temporada 2008/09.

E aí, parecia que Vermeer novamente passaria a maior parte do tempo no banco, já que, como titular, estava Stekelenburg, escolhido por Bert van Marwijk como o novo arqueiro titular da Oranje, após a aposentadoria de Van der Sar. Novamente, pequenas surpresas encarregaram-se de alterar os fatos: após a vitória por 3 a 0 sobre o Vitesse, no primeiro turno, Stekelenburg sofreu uma lesão nos ligamentos do ombro, que o tirou de combate pelo restante de 2008. Era a hora de Vermeer entrar. E, se a primeira partida em que o camisa 12 do Ajax atuou como titular terminou com sonora derrota de 5 a 2 para o Heerenveen, não foi por sua culpa, já que ele saiu de campo considerado como um dos únicos pontos positivos na terrível performance da equipe de Marco van Basten.
 

Com o final de 2008, Stekelenburg recuperou-se da lesão, voltou aos treinos e recebeu de volta o posto no time. Porém, não só “Stekel” ainda se ressentia de falta de ritmo, como, graças a uma virose que lhe tirou alguns quilos, Vermeer voltou a atuar, na partida de volta da fase de 16avos-de-final da Copa Uefa, contra a Fiorentina. Novamente, sua atuação saiu a contento. E não deu outra: antes do jogo contra o ADO Den Haag, pela Eredivisie, Van Basten anunciou que, dali por diante, o jovem de 23 anos era o novo titular do gol do Ajax.

E, a despeito de um estilo ainda necessitando de maior calma (e das acusações de falha em um dos gols do empate em 2 a 2 com o Olympique de Marselha, que eliminou o Ajax da Copa Uefa), Vermeer dá a impressão de ter todas as tintas, isto é, as condições de fazer um belo quadro, quer dizer, uma bela carreira. Resta ver como será sua regularidade.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo