Valencia: Chato para os rivais

por Lui Moreno

Time “chato”. É assim que o Valencia é denominado por torcedores rivais. De fato, é uma equipe que vira e mexe dá trabalho a algum dos gigantes – não era de se esperar outra nomenclatura. Os Ches começaram a LFP levando de três do Villarreal em casa, embora as circunstâncias da partida (um jogador a menos) tenham ajudado esse desfecho. Ilude-se quem acha que é comum o Valencia levar dessas chacoalhadas em casa. Mas a recuperação veio com duas vitórias, uma fora sobre o Almería, e a segunda na última rodada, de virada, pra cima do Valladolid, numa fantástica reação com a força da torcida que mais uma vez lotou o Mestalla, ambas por 2×1.

Mudando de competição, a Liga dos Campeões tem seu começo nesta semana, e é aí que o Valencia se mostra capaz de figurar entre as melhores equipes da Europa. Com duas finais consecutivas em sua história, nas temporadas 99-00 e 00-01, o time valencianista já provou que merece respeito no cenário europeu. Uma pena ter perdido as duas, a primeira para o rival da capital espanhola, numa partida em que Morientes, hoje do lado alvinegro, marcou para o Real, que venceu por 3×0. Nesta, o Valencia acabou eliminando a Lazio e o Barcelona, nas quartas e nas semifinais, respectivamente. Daquela equipe, apenas Cañizares e Angulo permanecem no time atual. Já na temporada seguinte, os ingleses foram as vítimas: Arsenal e Leeds caíram diante de uma equipe que brigaria de igual pra igual com o poderoso Bayern na final em Milão. O jogo terminou 1×1 no tempo normal, e os alemães acabaram levando nos pênaltis por 5×4. Era o bi vice-campeonato de um clube que quase nunca tem estrelas em seu elenco, mas que sempre chega sem ser favorito e sem estar cotado pra levantar a taça.

Mas o que faz a história recente do Valencia ser tão notável assim? Há nove temporadas, mais precisamente em 98-99, com Claudio Ranieri no comando, os Ches voltavam a conquistar um título após quase 20 anos de jejum. Era a Copa do Rei, com Claudio López e Mendieta no elenco. Entretanto, Ranieri não seguiu na equipe, e para a temporada seguinte, chegaria Héctor Cúper, e com ele, uma Supercopa da Espanha, e a façanha das finais da UCL, acima citadas. Embora tenha perdido nas duas temporadas, o Valencia conseguiu obter o respeito da Europa pelo seu grande jogo e a sua evolução com Cúper, e sua rígida defesa. Era um estágio em que a filosofia era formar grandes jogadores e de não perder nenhum destaque. Os exemplos são: Ayala, Mendieta, C. López, Farinós, Gerard, Baraja, Vicente entre outros…

Para a temporada 01-02, o Valencia acabara de perder seu treinador, e seu principal jogador naquele momento, Gaizka Mendieta. Rafa Benítez era o substituto, que tinha a difícil missão de fazer uma boa campanha sem muitos reforços, e sem experiência na primeira divisão. Mas ele surpreendeu a todos, conquistando o quinto título espanhol do clube naquela temporada. Depois de uma temporada sem muito brilho, em 03-04 o Valencia voltaria a conquistar o campeonato espanhol, além de levantar a Copa da Uefa. Sua temporada foi tão boa, que a IFFHS reconheceu a equipe como a melhor do mundo, em 2004!

Depois da saída de Rafa Benítez para o Liverpool em 04-05, Ranieri voltou ao clube e fracassou, junto com vários reforços italianos como Di Vaio, Corradi e Fiori. Na temporada seguinte, de 05-06, o ex-jogador do próprio Valencia, Quique Sánchez Flores foi contratado, e conseguiu um 3º lugar na LFP.

Após uma temporada sem passar da fase de grupos, e outra sem ao menos se classificar para as fases preliminares, o Valencia voltou à UCL e em grande estilo. Passou com facilidade da fase de grupos e em seguida eliminou a Inter, uma das favoritas ao título. Teve a chance de chegar a semifinal, mas parou diante do Chelsea nas quartas.

Enfim, como afirma o site da Trivela, a previsão inicial é de que o Valencia tem time pra chegar no mínimo às quartas-de-final da UCL. Mas, como a camisa “pesa” nessas horas, a falta de tradição nessa competição pode fazer o time se “apequenar” outra vez.

O Valencia é um time que pode tanto surpreender, como decepcionar. Mas sua história recente mostra que o mais provável de acontecer é a primeira opção.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo