O Bangu voltou: ensaio de uma saudade futebolística

O insosso campeonato estadual do Rio de Janeiro não promete muito para os torcedores em 2009. Serão os mesmos quatro grandes disputando o título de quem faz papel mais feio diante de clubes pequenos com estrutura, torcida e, principalmente, orçamento assustadoramente menores. Ainda assim, não tenho receio em dizer, os quatro perderão pontos.

Tal prognóstico, tão insosso quanto o campeonato, não impede que observemos um detalhe para lá de gratificante. O Bangu volta e, com ele, parte do charme do campeonato. Sou novo, do tempo que Bangu, América, Madureira e Olaria eram a segunda força do futebol carioca. Sempre dispostos a provocar arrepios e tirar pontos dos grandes. Para isso, valiam-se de atacantes experientes, meias insinuantes, zagueiros carniceiros e goleiros folclóricos, como o uruguaio Léo ou o eterno Pacato, que vire e mexe se transformava em Gato Guerreiro. Valiam-se também de estádios que vez por outra tinham as luzes apagadas – ou melhor, o abastecimento de luz era interrompido. Não faz muito tempo, mas esse é o meu futebol carioca romântico.

Das cabines da Rede Bandeirantes de Televisão, Januário de Oliveira esperava o fim da novela da Globo para iniciar o pontapé inicial. Gérson, ao lado dele, provavelmente com os dedos indicadores no ouvido esquivava-se dos berros de crueeel, muito cruel ou siniiistro, muito sinistro. Quando a maca entrava em campo ou o gol saía, era a vez do (elementar,) meu caro Addison Coutinho contar o que só ele havia visto. Nas noites de segunda, o breu dominava a tela da televisão e das arquibancadas era possível ouvir os mais inusitados gritos dos técnicos e torcedores. Torcer de casa era quase o mesmo que ir ao estádio. Talvez por isso eram tão poucos os torcedores pagantes.

Torço para que o campeonato de 2009 consiga recuperar o charme daqueles anos de Romário, Túlio, Renato e Clóvis Bate-Bola. Sei que é difícil que aconteça uma disputa tão saborosa pelo título de Rei do Rio. O futebol mudou, como o mundo mudou. Estamos mais velhos, mais chatos, mais caretas, mais ranzinzas e acreditamos no equilíbrio entre despesas e receitas.

Pelo menos, o Bangu voltou.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo