Luis Suárez: no caminho do Brasil

Quando o Uruguai recebeu o Chile em Montevidéu, sabia que precisava ganhar para tomar vantagem na luta por uma vaga na Copa de 2010, uma vez que os chilenos despontam como os maiores rivais do Uruguai nestas Eliminatórias. Infelizmente – para os uruguaios – o time não jogou nada bem e só não perdeu no Centenário por causa de um jogador do qual muito pouca gente ouvira falar até então.

Luis Suárez, meia-atacante do Ajax, foi o espinho encravado na defesa chilena, fez um gol e tomou parte em todas as jogadas ofensivas da ‘Celeste’ contra o Chile. A participação de Suárez já alertou os brasileiros sobre o perigo que o rival desta semana, no Morumbi, pode representar, mesmo sem Diego Forlán, o atacante mais importante do futebol uruguaio nos últimos anos.

Mais um ‘exportado’ cedo

Suárez mal teve tempo de jogar no futebol profissional uruguaio. Na sua primeira temporada no Nacional de Montevidéu, já chamou a atenção fazendo 12 gols em 29 jogos. Aos 18 anos, seguiu para a Holanda, contratado por €800 mil, pelo Groningen. Não por coincidência, o pequeno clube que revelou os irmãos Erwin e Ronald Koeman para o futebol fez uma ótima campanha e terminou na 9a colocação.

Na Eredivisie, Suárez chegou sem fama, mas comeu a bola muito rápido. Em outras 29 partidas (pelo campeonato), o jogador anotou mais dez gols e se tornou o principal assistente da equipe, avançando do meio-campo para o ataque com uma facilidade incrível.

Sua boa campanha fez com que o Ajax se interessasse pelo seu futebol e com o clube de Amsterdã dirigindo seus passos, tentou se desvincular do Groningen a custo zero. Entretanto, o clube do estádio Euroborg ganhou a parada na justiça e forçou o Ajax a desembolsar €7.5 milhões pelo seu futebol – que a essa altura já tinha levado o prêmio de revelação do campeonato 2006/07. De quebra, em junho, no Mundial Sub-20, fez um golaço contra a Espanha com uma bomba violentíssima da entrada da área.

O ex-clube de Johan Cruyff parece não estar arrependido. Tendo vendido Ryan Babel para o Liverpool-ING, procurava um jogador de mobilidade para montar o seu ataque e achou no uruguaio o nome perfeito. Nesta temporada, nas 11 primeiras partidas pela Eredivisie, Suárez já tem sete gols em 11 jogos e é a grande aposta do Ajax para a temporada. Na sua estréia, nas Eliminatórias da LC, contra o Slavia Praga, saiu do banco para entrar e achar um pênalti – que acabou desperdiçado pelo seu colega de dupla de ataque, Klaas-Jan Huntelaar.

Velocidade, mobilidade e técnica

Apesar de seu 1m81 e de seus 80kg, Suárez não é um jogador que procura o choque com os zagueiros. Mesmo grande, o atacante ‘charrúa’ gosta de jogar com mobilidade, vindo com a bola do meio-campo e abrindo pelas extremas quando necessário. Tanto com Huntelaar (no Ajax) quanto com Forlán (na seleção uruguaia), faz o papel do segundo atacante e eventualmente pode até mesmo dar uma de meia, uma vez que tem uma técnica muito apurada.

Quando precisa entrar na área ou se recebe a bola em velocidade, Suárez tem uma vocação de goleador, que é ajudada pela sua capacidade de bom driblador. Preferencialmente bate com o pé direito, mas é ambidestro, fazendo muitos gols também com o pé esquerdo. A sua área de atuação é a faixa esquerda, embora disponha de versatilidade para cair pelos dois lados.

Pela primeira vez em muito tempo, o uruguai apresenta ao mundo um jovem jogador que realmente aparece com um potencial consistente. Depois de ‘promessas’ que não desabrocharam como Magallanes e Recoba, Suárez não só joga bastante, como apresenta evolução constante e está em um clube considerado ideal para a maturação de jogadores. Se jogar contra o Brasil nesta quarta, deve jogar em cima de Maicon, exatamente o pior marcador da linha defensiva brasileira. Pelo que se viu contra o Chile, ter cautela não custa nada.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo