Joga feio (ainda bem)

Outro dia, vendo os gols de Robinho contra o Villareal, perguntei ao Ubiratan, nosso especialista em futebol espanhol: “Dá pra dizer que o Robinho aprendeu a 'jogar feio' e, por isso, finalmente passou a ser um jogador efetivo?” Segundo ele, precisava esperar um pouco pra ter certeza.
Depois do jogo de ontem contra a Irlanda, entretanto, concordamos: sim, Robinho aprendeu que jogar futebol não é o que ele – e os calazans – achava.

O gol de ontem, assim como os contra o Villareal, foram gols “de grosso”, e ao mesmo tempo, “de craque”. O chute é de grosso, não tem nada demais, o Belletti faria. Precisa, porém, ser craque pra enxergar os espaços pra esse tipo de lance.

É exatamente o que distinguia Ronaldinho Gaúcho de outros “fantasistas”: o craque do Barcelona sabia a hora de driblar e a hora de chutar de bico. Robinho, incentivado pelos galvõesbuenos, achava que tinha sempre que “pedalar”. Acontece que esse tipo de jogada, a pedalada, só funciona se não acontecer toda hora. Caso contrário, fica manjada, e o marcador tem um remédio simples: ficar parado.

Quando os marcadores espanhóis perceberam isso, Robinho sumiu. Quando, porém, ele percebeu o outro lado, voltou a florescer. E é hoje o principal atacante brasileiro. Pelo menos enquanto entender que seu gol de ontem foi muito mais “bonito” do que aquela presepada que fez na área de um Equador totalmente batido no Maracanã.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo